Bioinvestimentos do setor de árvores cultivadas chegam a R$ 57,2 bilhões

Maior aporte privado do Brasil prioriza soluções e produtos com foco em sustentabilidade, diz Ibá

Publicado em 9 de novembro de 2021 | 11:30 |Por: Thiago Rodrigo

Priorizar um novo modelo tornou-se urgente, diante da realidade das mudanças climáticas. Na vanguarda de um crescimento verde, o setor de árvores cultivadas tem sido um dos exemplos na construção desta nova economia. Estão em andamento ou anunciados bioinvestimentos na ordem de R$ 57,2 bilhões até 2024, segundo levantamento exclusivo da Ibá (Indústria Brasileira de Árvores).

Esse montante bilionário tem como principal destinação florestas, novas fábricas, expansões, inovação e tecnologia. Pilar fundamental neste passo rumo a um crescimento ainda mais sustentável é o avanço em iniciativas que mitigam impactos ambientais, como utilização de energia limpa, menor emissão de CO2, gestão de resíduos, circularidade, entre outras frentes de atuação.

“Este é um setor que está do lado certo da equação na batalha contra as mudanças do clima. Planta 1 milhão de árvores por dia, possui 9 milhões de hectares de plantios florestais com finalidade industrial, enquanto preserva outros 5,9 milhões de hectares em florestas nativas. Juntas, estas florestas removem e estocam 4,48 bilhões de toneladas de CO2. Mas o auxílio na mitigação dos GEEs não para por aí e os investimentos em curso, além dos que estarão sendo iniciados, almejam tornar o processo fabril ainda mais sustentável, acompanhando a evolução tecnológica e fazendo delas aliadas nesta urgente batalha de todos nós”, comenta o diretor executivo da Ibá, Embaixador José Carlos da Fonseca Jr.

A CMPC, em Guaíba (RS), iniciou investimento de R$ 2,75 bilhões, o maior da iniciativa privada no Estado Gaúcho. Chamado de BioCMPC, o projeto tem como principal objetivo promover modernizações em esforços de sustentabilidade e na operação, gerando um incremento na produção de celulose, insumo de fonte renovável e que dá origem a produtos recicláveis e biodegradáveis. Contudo, o diferencial deste projeto está nas 31 iniciativas desenhadas para minimizar possíveis impactos da produção industrial. A principal delas reside na construção de uma nova caldeira de recuperação para produção de energia 100% limpa.

Produção de móveis cai

Também o projeto Puma II, da Klabin, em Ortigueira, está levando ao Paraná R$ 12,9 bilhões. Na unidade, está sendo implantada tecnologia de gaseificação de biomassa para ser utilizada no processo fabril com substituição de óleo combustível no forno de cal, com reduções significativas de emissões de CO2. O produto final será o papel kraftliner feito à base de fibras de eucalipto, chamado de Eukaliner, com menor impacto ambiental. As embalagens de papel têm função fundamental, com o aumento de pedidos via e-commerce e delivery. São um exemplo de economia circular devido à alta taxa de reciclagem das embalagens de papel.

Um dos maiores investimentos privados do País, o Projeto Cerrado, em Ribas do Rio Pardo (MS), da Suzano, elevará em 20% a capacidade de produção de celulose da empresa, após aportados os R$14,7 bilhões previstos. A expansão da base florestal produtiva aumentará a remoção de CO2 da atmosfera; a nova unidade será autossuficiente em energia; terá como base fonte renovável; e pretende exportar, aproximadamente, 180 MW médios ao sistema elétrico nacional.

A Bracell, por sua vez, está dando andamento ao projeto Star, em Lençóis Paulista. Seguindo o que há de mais moderno em tecnologia, a expansão não utilizará combustíveis fósseis para geração de energia, o que evitará a emissão de milhões de toneladas de CO2 para a atmosfera. Além de autossuficiente, a unidade abastecerá o Sistema Interligado Nacional com energia de origem limpa e renovável. Juntamente à tradicional celulose, ali será produzida celulose solúvel, alternativa sustentável para uma série de segmentos como alimentício e automotivo, mas com foco principal na fabricação de viscose, uma opção ecológica para a indústria têxtil. Atualmente, o market share global do segmento de tecidos aponta que a viscose é responsável por 7%.

A LD Celulose, joint venture entre a Dexco e a austríaca Lenzing, também está levantando uma unidade no Triângulo Mineiro exclusivamente dedicada à produção de celulose solúvel com objetivo de fabricação também de tecido verde. No segmento de papel os avanços vêm por parte, também, de avanços como os da Carta Fabril e da Oji Papéis. E vale mencionar investimentos da Berneck, em Lages (SC), em painéis de madeira, assim como a Guararapes, em Caçador (SC). Amata e Dexco realizaram aporte na Urbem (PR), empresa focada na fabricação de estruturas de madeira para construção civil a partir do pinus.

Todo este movimento resulta no aumento de oportunidades em todo o País. As obras de expansão devem gerar 35 mil vagas temporárias. Ao fim, serão mais 14 mil vagas fixas nessa cadeia, que soma hoje cerca de 1,4 milhão de empregos diretos.

“Todos estes bioinvestimentos visam a atender aos anseios da sociedade moderna, crescentemente preocupada com a sustentabilidade socioambiental. Em tendência universal é irreversível, agora acentuada no pós-pandemia, o consumidor, sobretudo nas novas gerações, terá o olhar muito mais atento à origem adequada, à rastreabilidade, às certificações e ao pós-uso que sejam corretos e verificáveis. Em seu processo produtivo, o que consumimos terá que passar no teste da sustentabilidade, da sanidade e do impacto positivo no planeta. Como nosso setor tem zona de influência que se espalha por mais de 1.000 municípios brasileiros, não há exagero em afirmar que levamos desenvolvimento socioeconômico a regiões distantes dos grandes centros, dinamizando social e economicamente áreas antes deprimidas, movendo para cima o ponteiro de métricas fundamentais como IDH e IDEB”, completa José Carlos da Fonseca Jr.


Notícias do Mercado Moveleiro

Conheça nossas publicações:

eMobile

Atualizado diariamente por uma equipe de jornalistas profissionais, o Portal eMóbile agrega as notícias mais atuais e relevantes para os profissionais do setor moveleiro, sejam eles industriais, varejistas, marceneiros ou designers e arquitetos.


  • CONTATO
  • contato@revistamobile.com.br
  • Avenida Sete de Setembro
  • 6810, 2º andar - Cj 18
  • Seminário | 80240-001
  • Curitiba | Paraná
  • (41) 3340 4646