Catas realiza webinar sobre superfícies de móveis em tempo de coronavírus

Catas, laboratório europeu do setor moveleiro, avalia superfícies de móveis em tempo de coronavírus

Publicado em 10 de junho de 2020 | 14:51 |Por: Thiago Rodrigo

As características das superfícies de móveis em tempo de coronavírus, com relação à “chance de contaminação” nunca foram um problema como hoje. Se no passado analisássemos as propriedades antibacterianas de superfícies com grande interesse, hoje elas poderiam até representar um novo padrão global, em um mundo desafiado pela pandemia de Covid-19.

Esse é um tópico extremamente delicado. Rótulos como superfícies “antibacteriana” ou “antimicrobiana” podem representar uma motivação fundamental para o mercado. Mas como o mundo do mobiliário pode e deve lidar com materiais que apresentam esse novo potencial?

Nesse sentido, cada vez mais os técnicos e especialistas da Catas, o laboratório europeu mais importante para o setor de móveis de madeira, são questionados sobre o assunto. A necessidade contínua e crescente de esclarecer as superfícies de móveis em tempo de coronavírus os convenceu a organizar um webinar específico inteiramente dedicado a esse assunto.

Produtos para indústria desenvolver móveis para classe popular

Assim sendo, a Catas Academy realizará dois eventos importantes com os especialistas da entidade comentando sobre estratégias antibacterianas. Assim como saneantes em diferentes tipos de superfícies (móveis, eletrodomésticos e objetos de uso diário em residências e escritórios), métodos de teste, interpretação de resultados obrigações decorrentes da legislação relevante, por exemplo, Regulamento Europeu de Biocidas.

Serão dois webinars em duas línguas com Elena Conti, bióloga chefe da Seção Microbiológica de Catas. Primeiramente, em italiano, ocorre amanhã, 11 de junho, às 14 horas. Segundamente, na terça-feira, 23 de junho, às 14 horas, será em inglês. Ambos requerem registro gratuito no site da Catas. Mais informações podem ser adquiridas em formazione@catas.com ou no telefone +39 0432 747260.

A Catas realizou uma interessante análise aprofundada. Ela foi realizada por Franco Bulian, diretor adjunto da Catas, que visa esclarecer e explicar o papel das superfícies como possíveis fontes de contaminação. Confira:

Superfícies de móveis em tempo de coronavírus

O termo “contágio”, que geralmente ocorre em nossas conversas durante esse período, tem uma etimologia interessante derivada das palavras latinas cum, que significa “junto”, e tangere, que significa “tocar”.

De fato, o simples ato de tocar uma superfície pode ser a fonte de muitas infecções e alguns estudos testemunham, por exemplo, que as maçanetas das portas ou os botões do elevador de lugares lotados estão entre as principais causas da transmissão de muitos vírus. De fato, essas estranhas “entidades biológicas” são capazes de passar facilmente das superfícies que tocamos para as mãos e das mãos para a boca e os olhos, que representam um tipo de porta aberta pela qual eles finalmente podem entrar em nosso corpo. A esse respeito, um estudo australiano publicado em 2015 provou que as pessoas costumam tocar seus rostos com frequência (em média 23 vezes por hora) e os vírus aproveitam muito esses gestos, mesmo inconscientes, para espalhar consideravelmente sua difusão.

A transmissão do vírus através das superfícies é evidentemente baseada no primeiro contato decorrente de uma pessoa infectada, principalmente através das conhecidas “gotículas” (gotículas de saliva transmitidas por um espirro, tosse ou simplesmente falando com outra pessoa), seguidas por a capacidade do vírus de sobreviver na superfície contaminada.

Estudos recentes, aplicados precisamente no Covid-19, descreveram uma sobrevivência bastante prolongada desse vírus em plásticos (até 72 horas) e em aço (48 horas), enquanto é mais limitado em papelão ou cobre.

Dados

Os dados mais interessantes sobre os ambientes internos são provavelmente os relativos aos plásticos, considerando que muitas das superfícies ao nosso redor são revestidas ou, em qualquer caso, cobertas com laminados ou outros materiais à base de polímeros que representam os constituintes primários dos plásticos.

Além de todas essas considerações teóricas, muitas coisas práticas mudaram em nossas vidas diárias como resultado dos efeitos dramáticos do Covid-19 e aprendemos que além da distância mútua, a higiene de nossas mãos e de todas as superfícies que nos cercam é também crucial.

Essas novas necessidades e hábitos estão determinando consequências significativas também para o mundo de móveis e acabamentos. De fato, há cada vez mais solicitações de superfícies antibacterianas e, por outro lado, é considerada bastante fundamental a capacidade das superfícies de móveis de resistir a frequentes operações de limpeza e desinfecção. Nesse sentido, a Catas iniciou recentemente estudos específicos, colaborando com vários parceiros do nosso setor.

A eficácia antibacteriana das superfícies

O efeito antibacteriano das superfícies dos móveis é normalmente alcançado graças à adição de aditivos específicos (por exemplo, substâncias à base de prata) que executam um biocida e/ou ação inibitória em relação à sua proliferação.

A Catas realiza testes específicos para estudar a ação antibacteriana de plásticos e outros materiais não porosos, contaminando as superfícies sob investigação e verificando seus efeitos na sobrevivência das bactérias. Os métodos de referência são aqueles descritos na ISO 22196 e JIS Z2801, bem como métodos internos criados especificamente para adaptar o teste a materiais que, devido às suas propriedades intrínsecas, não puderam ser testados de acordo com os métodos padronizados.

No entanto, esses testes não consideram vírus e, em particular, o Covid-19, que nosso instituto obviamente não possui dentro dos laboratórios…

Resistência a produtos de limpeza e líquidos desinfetantes

Como mencionado acima, a limpeza e desinfecção freqüentes das superfícies são ações recomendadas em todos os níveis para combater a propagação do Covid-19.

Entre os produtos declaradamente eficazes contra o vírus, existem preparações à base de álcool e aquelas que contêm agentes oxidantes, como hipoclorito de sódio ou peróxido de hidrogênio.

O álcool é certamente um agente a ser levado em consideração, pois às vezes tende a causar o amolecimento de alguns filmes de revestimento. Por outro lado, os agentes oxidantes podem ser responsáveis pela descoloração ou desbotamento, mesmo que atualmente não existam muitos dados disponíveis para poder apresentar um estudo de caso real. Finalmente, deve-se prestar atenção especial aos agentes corantes que às vezes são adicionados a esses produtos de limpeza: se essas substâncias penetrarem profundamente nas superfícies, pode ser difícil removê-las, resultando na formação de áreas coloridas.

Nesse sentido, a Catas desenvolveu um protocolo de investigação específico (baseado na EN 12720) para verificar a capacidade das superfícies de resistir ao contato com produtos de limpeza e líquidos desinfetantes comumente usados.

Resistência à fricção

Além da avaliação do contato exclusivo de um líquido com a superfície em teste, a Catas também desenvolveu um método de teste para avaliar o efeito combinado de contato com a fricção, simulando uma operação de limpeza real. De fato, o efeito combinado pode ser muito prejudicial, causando vários tipos de danos nas superfícies dos móveis. As ferramentas disponibilizadas pela Catas podem, sem dúvida, representar um auxílio válido e pronto para uso para todo o mercado, esperando, em qualquer caso, que também o mundo da padronização comece a considerar e trabalhar nessas novas necessidades e apresentar desafios.


Notícias do Mercado Moveleiro

Conheça nossas publicações:

eMobile

Atualizado diariamente por uma equipe de jornalistas profissionais, o Portal eMóbile agrega as notícias mais atuais e relevantes para os profissionais do setor moveleiro, sejam eles industriais, varejistas, marceneiros ou designers e arquitetos.


  • CONTATO
  • contato@revistamobile.com.br
  • Avenida Sete de Setembro
  • 6810, 2º andar - Cj 18
  • Seminário | 80240-001
  • Curitiba | Paraná
  • (41) 3340 4646