Exportações do setor moveleiro avançam 50% em 2021

Nova edição do Monitoramento das Exportações de Móveis da Abimóvel, levantados pelo Iemi, mostram os ótimos números da indústria moveleira

Publicado em 31 de janeiro de 2022 | 07:00 |Por: Thiago Rodrigo

As projeções para o acumulado das exportações do setor moveleiro se confirmaram acima dos 50,2% em 2021. Enquanto o mercado doméstico continua sendo o principal destino do mobiliário produzido no Brasil, o avanço significativo nas exportações do setor moveleiro impactou positivamente todo o mercado, que se beneficia com uma indústria mais competitiva a nível global.

Em volume, o salto foi de 50,2% no montante exportado entre janeiro e dezembro de 2021 sobre 2020. Em receita, estima-se um total de US$ 898,77 milhões (FOB) em produtos exportados pelo setor moveleiro nacional no ano passado.

Com isso, o acumulado entre 2015 e 2021 ultrapassou a linha dos 200%. Ritmo que, segundo as projeções da Abimóvel, deverá se manter nos próximos dois anos, com expectativa de ainda mais 6,05% e 8,65% de crescimento no número de móveis e colchões a serem exportados em 2022 e 2023, respectivamente.

Perspectivas e possibilidades

Embora o Brasil seja o sexto maior produtor mundial de móveis, o País ainda ocupa a 28ª posição no ranking dos maiores exportadores do setor moveleiro. Panorama que é considerado abaixo do seu real potencial, com campo considerável para o aumento da participação de nossas empresas, que vêm investindo em tecnologia e inovação nos parques fabris, bem como na agregação de valor e na diversificação de suas linhas de produto.

Grupo K1 adquire novas marcas

Os dados da exportação de móveis em 2021 estão dentro dos dados preliminares do balanço de 2021, levantados pelo Iemi – Inteligência de Mercado junto a fontes oficiais com exclusividade para a Abimóvel – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário, a produção de móveis e colchões no Brasil no ano passado, não só recuperou o volume perdido em 2020, como apresentou crescimento de 2,71% em volume e 9,8% em receita.

Exportações do setor moveleiro

Os móveis de madeira são os principais carros-chefes da indústria brasileira no mercado internacional. Na sequência aparecem os estofados, colchões e móveis de metal, respectivamente. Quando o assunto são os principais destinos do mobiliário brasileiro no exterior, os Estados Unidos, maior economia do mundo, são também o principal mercado importador de móveis brasileiros no planeta. Cerca de 35% das exportações nacionais no setor em 2021, tiveram como destino o país norte-americano, numa relação já próxima, mas com ainda muito campo para expandir.

Segundo o estudo “Do Brasil para o Mundo”, outro relatório desenvolvido com exclusividade para os associados do Projeto Brazilian Furniture, as exportações de móveis e colchões brasileiros para os Estados Unidos contam com um potencial adicional de 30,8%, podendo atingir um patamar de US$ 327,8 milhões nos próximos anos.

Dentre os países com maior potencial de aumento das exportações, seguindo a metodologia ITC (International Trade Center), entende-se, ainda, que os atuais mercados-alvos do Brazilian Furniture somem um potencial de novas exportações estimado num adicional de cerca de US$ 866 milhões. Valor que está associado a uma taxa de crescimento esperada de em média 38% nos fluxos de exportações totais para esses países.

Mercados-alvos

Em 2021, destacou-se também o avanço das exportações para o Chile, que ocupa atualmente a segunda posição entre os principais destinos do mobiliário brasileiro no mercado global, com um crescimento acumulado de 164,4% ao longo de todo o ano passado, e apontando ritmo crescente.

O Reino Unido, que vinha apresentando comportamento instável, fechou o ano na quinta colocação, caindo posições, mas demonstrando números promissores no final do segundo semestre de 2021, com avanço de 25,3% no acumulado entre janeiro e dezembro de 2021 em relação a 2020.

Além das Américas e da Europa, o Oriente Médio é outra região com relevante potencial para a indústria de móveis brasileira. As exportações para a Arábia Saudita acumularam aumento de 289,9% no ano; já os Emirados Árabes Unidos, segundo maior destino dos móveis brasileiros na região, registraram um crescimento de 84% ao longo de 2021.

Receba nossa Newsletter

    Matérias Relacionadas