Indústria gaúcha de móveis tem crescimento no primeiro trimestre do ano

Entidade estadual pondera o desempenho em virtude de fatores como elevação dos custos e inconsistência de comparação com os primeiros meses da pandemia

Publicado em 14 de maio de 2021 | 13:30 |Por: Thiago Rodrigo

O setor moveleiro gaúcho se deparou com uma situação absolutamente inusual ao aferir seu desempenho no primeiro trimestre de 2021. Os dados compilados esta semana pela Inteligência Comercial da Associação das Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul (Movergs) indicam um faturamento de R$ 2,49 bilhões entre janeiro e março desse ano – crescimento nominal de 54,6% em relação ao mesmo período de 2020. Isoladamente, o número parece representar um elevado crescimento do segmento. Contudo, a análise do cenário exige considerar elevação no preço dos insumos, o que resulta nesse aumento desproporcional nos valores nominais de 2021.

Conheça a Feira Virtual do Portal eMóbile

O economista da Movergs, Eduardo Santarossa, elenca como fatores a serem considerados a elevação das matérias-primas – em alguns casos com reajustes de até 90% – a alta desvalorização do Real e a elevação de diversos indicadores econômicos, que acumularam aumentos superiores a 30% em 2020 e mais de 10% no primeiro trimestre de 2021. Ademais, o comparativo com o mesmo trimestre de 2020 deve ser realizado com cautela, já que tem uma base muito deprimida.

Indústria gaúcha de móveis

O presidente da Movergs, Rogério Francio, salienta que os números são, de fato, muito positivos e mostram uma continuidade na trajetória positiva nos últimos meses, mas não podem ser considerados isoladamente. Segundo ele, estamos diante do efeito estatístico de uma base mais baixa de comparação em março de 2020.

Embora com patamares reais mais baixos, o setor segue em trajetória de crescimento. O presidente da Movergs situa alguns fatores que podem interferir nos próximos meses da indústria. “Ainda estamos convivendo com uma boa demanda por mobiliário, porém atentos à possibilidade de atraso na entrega de insumos e matérias-primas. Ao mesmo tempo, os preços, custos e inflação estão em alta. Havia pedidos parados no fim de 2020 que transbordaram para esse ano com custo muito acima do habitual, o que reflete diretamente no valor faturado em reais, mas não necessariamente representa um crescimento real”, pontua.

Empregos

Entre janeiro e março de 2021, a variação no número de empregos diretos da indústria gaúcha de móveis é positiva, com crescimento de 4,3% em relação ao fim do último ano, encerrando o trimestre com 1.505 novas vagas. O total de empregos da indústria moveleira gaúcha é de 36.679 empregos diretos. Além de recuperar os patamares pré-crise, a indústria moveleira segue gerando empregos e se coloca como um dos destaques entre todos os segmentos industriais.

Exportações

De acordo com o portal ComexStat, as exportações de móveis brasileiros movimentaram US$ 202,4 milhões no primeiro trimestre de 2021 (crescimento de 32,1% em relação ao mesmo período do ano passado). Somente o Rio Grande do Sul exportou US$ 54,5 milhões, aumento de 35,5% ante igual período de 2020. Estados Unidos, Peru, Chile, Uruguai, Reino Unido e Paraguai estão entre os principais destinos dos móveis gaúchos.


Notícias do Mercado Moveleiro

Conheça nossas publicações:

eMobile

Atualizado diariamente por uma equipe de jornalistas profissionais, o Portal eMóbile agrega as notícias mais atuais e relevantes para os profissionais do setor moveleiro, sejam eles industriais, varejistas, marceneiros ou designers e arquitetos.


  • CONTATO
  • contato@revistamobile.com.br
  • Avenida Sete de Setembro
  • 6810, 2º andar - Cj 18
  • Seminário | 80240-001
  • Curitiba | Paraná
  • (41) 3340 4646