Orchestra Brasil leva fornecedoras à Interzum, na Colômbia

Projeto promovido pelo Sindmóveis com apoio da Apex-Brasil fomenta exportações para indústrias fornecedoras da cadeia moveleira

Publicado em 13 de maio de 2022 | 16:55 |Por: Thiago Rodrigo

Em 2021, a indústria brasileira de componentes para móveis, máquinas e ferramentas exportou 3 bilhões de dólares para o mundo. Somente a Colômbia adquiriu 150 milhões de dólares, posicionando-se entre os 15 mercados mais representativos. Com o objetivo de estimular as relações comerciais entre os dois países, o Orchestra Brasil levou 17 corporações à Interzum, principal feira do segmento na América, que ocorreu desde o dia 10 até hoje, 13 de maio em Bogotá.

O Orchestra Brasil é um projeto de exportação para empresas brasileiras fornecedoras do setor, mantido pelo Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e atração de investimentos (Apex-Brasil).

Artecola comemora 74 anos

De acordo com a consultora do Orchestra Brasil, Ana Cristina Sant’anna Schneider, estima-se que os componentes respondem por 46,7% do valor de produção dos móveis brasileiros. “Os fornecedores da indústria moveleira são os grandes promotores de inovação no setor, desde fabricantes de tecnologias, insumos e acessórios até estúdios de design e prestadores serviços. Portanto, esse elo é fundamental para aumentar a competitividade do setor como um todo”, comenta.

Orchestra Brasil

Akeo, Allparts, Brasmacol, CPI Tegus, Crippa, Joelini, Lidear, LRB Química, Lufati, Projepack, Promob, Sayerlack, Rometal, Tecbril, Tramontina, Wirutex e Zen são as empresas brasileiras que se preparam para apresentar suas inovações e lançamentos em Bogotá.

“A participação na Interzum é estratégica para gerar vínculos mais fortes entre os mercados brasileiro e colombiano, bem como colocar essas indústrias numa grande vitrine mundial”, ressalta Ana Cristina.

Comportamento e mercado

Antes o consumo era predominantemente sobre elementos amadeirados, cores escuras e desenhos básicos. Nos últimos anos, porém, o consumo em termos de componentes e elementos decorativos mudou. Percebe-se que o consumidor colombiano se voltou para o uso e preferência por elementos mais modernos, com cor, design e inovação mais semelhantes à oferta do mercado brasileiro.

Desde que a pandemia intensificou o trabalho remoto, os consumidores começaram a criar espaços que oferecem conforto e segurança. Esse foi um trunfo para muitos fornecedores brasileiros que já apostam em quesitos como tecnologia, qualidade, conforto, elementos sustentáveis e design.

Receba nossa Newsletter

    Matérias Relacionadas