Abril tem recuo de 18,3% no volume da produção de móveis e colchões

Resultados de abril demonstram momento de repensar estratégias no setor moveleiro segundo Abimóvel

Publicado em 14 de julho de 2021 | 10:48 |Por: Portal eMóbile

Após um movimento de retomada do crescimento na indústria moveleira em março de 2021, o volume da produção de móveis e colchões em abril apresentou recuo de 18,3% sobre o mês anterior. Apesar de demonstrar perda de ritmo nas fábricas, que vinha de uma série histórica na segunda metade de 2020, o panorama continua satisfatório. No acumulado dos quatro primeiros meses de 2021 em relação a igual período no ano passado, o aumento em volume é de 24,7%.

Produção de móveis

O consumo aparente de móveis e colchões no Brasil foi de 28,4 milhões de peças no quarto mês do ano. Número que representa recuo de 20,4% em comparação ao mês anterior e aumento de 25,1% em relação ao acumulado do ano. A participação dos produtos importados sobre o consumo interno nacional foi de 3,1% em abril ante 3,4% em março.

Tal ambiente é retratado na última “Conjuntura de Móveis” — relatório desenvolvido pelo Iemi – Inteligência de Mercado sob encomenda para a Abimóvel – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário, munindo seus associados e ao mercado moveleiro com informações confiáveis e estratégicas para a gestão e os próximos passos dos seus negócios.

Presidente da Abimóvel participa de jantar com presidente

Por um lado, as restrições sociais mais rígidas limitavam a produção e o comércio no segundo trimestre do ano passado, justificando, assim, o crescimento significativo no confronto entre os primeiros meses de 2021 e 2020. Por outro, a estabilização da demanda combinada aos desafios relacionados à compra de insumos e matérias-primas após o boom nas vendas no setor, apontavam para uma desaceleração do consumo e da atividade fabril. Questão que continuaremos acompanhando de perto.

Emprego na indústria moveleira

Neste cenário, portanto, o volume do emprego na indústria moveleira nacional diminuiu em 0,8% em abril no comparativo com março de 2021. Como observado nas demais categorias do estudo, no entanto, houve crescimento do emprego no acumulado do ano: +3,6%. Um resultado que mantém o setor como referência na geração de emprego no País.

O número de horas trabalhadas também teve recuo em relação ao mês anterior (-6,6%). Já frente ao acumulado entre janeiro e abril, o crescimento foi de 19,1%. Dessa forma, era de se esperar que a produtividade do trabalho também recuasse no mês (-12,6%) e subisse no ano (+6,9%). A massa salarial, por sua vez, diminuiu 1,7% em abril, chegando a R$ 351,7 milhões.

Exportações e importações

Quando o assunto é o comércio exterior, as exportações moveleiras atingiram US$ 83,5 milhões em abril de 2021. Resultado que representa aumento de 13,3% frente aos números de março. Em maio, porém, as exportações de móveis e colchões recuaram em 3,4%, totalizando o montante de US$ 80,6 milhões.

produção de móveis

O Brasil também importou cerca de US$ 15,5 milhões em móveis e colchões em abril de 2021, o que representa uma queda de 25,3% na comparação com o mês anterior. Já no mês seguinte, em maio, as importações apresentaram crescimento de 34,3% na comparação com abril. O valor importado no quinto mês do ano chegou a US$ 20,9 milhões.

Por falar em importações, o investimento na importação de máquinas para fabricação de móveis apresentou aumento de 69,5% no acumulado do ano. Destacam-se as máquinas para arquear ou reunir (+582,5%) e as máquinas para serrar (+93,2%).produção de móveis

Varejo de móveis e colchões

Ajudando a ter um entendimento mais palpável do comportamento de compra na ponta, ou seja, dos consumidores finais no comércio, as vendas em volume de peças no varejo nacional apresentaram crescimento de 9,9% em abril no comparativo com o mês anterior (quando houve queda de 3,4%). No acumulado do ano, o indicador registrou variação ainda maior, na ordem de 18,7%.

Já as vendas nominais, portanto em valores, registraram crescimento de 11% no comparativo com março e de 21,4% no acumulado entre janeiro e abril de 2021 na relação com igual período do ano anterior. Panorama que demonstra que a procura por móveis apresentou avanço com recuperação no quarto mês do ano.produção de móveis

Importante ressaltar que segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, os preços nacionais de mobiliário apresentaram alta de 0,81% em maio de 2021 frente ao mês anterior. No ano, o índice já acumula um aumento de 5,1% no varejo. O que pode, portanto, intimidar o consumo nos próximos meses.

Por isso mesmo, é essencial que fabricantes e lojistas compartilhem e debatam os indicadores aqui apresentados, com o objetivo de entender e atender às novas dinâmicas do setor moveleiro e às demandas de consumo no Brasil. Ressaltando o constante desafio de agregar valor sem onerar a produção, tampouco ao consumidor.Abimóvel


Notícias do Mercado Moveleiro

Conheça nossas publicações:

eMobile

Atualizado diariamente por uma equipe de jornalistas profissionais, o Portal eMóbile agrega as notícias mais atuais e relevantes para os profissionais do setor moveleiro, sejam eles industriais, varejistas, marceneiros ou designers e arquitetos.


  • CONTATO
  • contato@revistamobile.com.br
  • Avenida Sete de Setembro
  • 6810, 2º andar - Cj 18
  • Seminário | 80240-001
  • Curitiba | Paraná
  • (41) 3340 4646