Recomendações de segurança para reabertura das empresas

Inspeções de segurança são necessárias para garantir uma reabertura bem-sucedida e segura após período de inatividade

Publicado em 3 de junho de 2020 | 08:00 |Por: Cleide de Paula

Algumas medidas de segurança para a reabertura devem ser tomadas pelas empresas que estão retornando às atividades. A Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) recomenda que as empresas prestem atenção especial às condições de equipamentos e instalações elétricas, a fim de identificar problemas que possam ter ocorrido durante o período de fechamento. Segundo a AGCS, as seguradoras também devem se preparar para um aumento de sinistros de incêndios resultantes de defeitos técnicos ou erros operacionais depois que as máquinas forem reiniciadas ou limpas em preparação para a reabertura de instalações.

“A restauração de operações em uma instalação que antes estava ociosa ou vazia apresenta outro conjunto de desafios de prevenção de perdas, principalmente para fábricas com equipamentos ou processos perigosos”, explica Stephen Clark, gerente técnico e especialista global da AGCS.

O plano gradual de reabertura do comércio em São Paulo e Rio

Abimaq sugere ações às autoridades  para o efetivo combate aos efeitos deletérios da crise

A análise da AGCS a respeito dos sinistros mostra que os incêndios já representam quase um quarto (24%) do valor de todos os acionamentos de seguros em um período de cinco anos, sendo a principal causa de perdas. O trabalho ou a manutenção mal-feitos (8%) e os danos às máquinas (5%) são classificados como a terceira e a sétima principais causas de sinistros, respectivamente.

Dentre as medidas de segurança para a reabertura, AGCS recomenda: 

1) restaurar as condições de segurança do local incluindo acesso a edifícios, sistemas de segurança, iluminação, controle de terceirizados e visitantes, etc 

2) realizar uma autoinspeção completa do local, incluindo todos os edifícios (interiores e exteriores) e equipamentos, para detectar e corrigir quaisquer condições inseguras ou anormais, danos, problemas de manutenção, uso inadequado, sinais de vandalismo, etc. Concluir e restabelecer qualquer inspeção, teste e procedimentos de manutenção que podem ter decorrido desde o desligamento.

3) revisar os procedimentos de resposta a emergências para verificar se eles estão atualizados e se há suporte adequado em todos os turnos para profissionais que possuem essas atribuições;

4) verificar todos os sistemas de proteção e detecção de incêndio, incluindo sistemas de aspersão, bombas de incêndio, proteção contra incêndio abastecimento de água, sistemas de extinção de incêndios, alarme de incêndio, etc. Concluir e restabelecer quaisquer procedimentos de inspeção, teste e manutenção que pode ter decorrido desde o desligamento.

5) Seguir todos os procedimentos operacionais padrões do fabricante antes de reiniciar qualquer equipamento.

6) Para locais que apresentam álcool (inflamável), desinfetantes, incluindo álcool em gel para as mãos, é importante implementar as seguintes precauções de segurança contra incêndio: Não armazenar ou usar perto de fontes de ignição, equipamentos elétricos, superfícies quentes, áreas fumo etc. Descartar todos os panos com resíduos inflamáveis em recipientes fechados de metal. Esvaziar recipientes de lixo pelo menos uma vez ao dia.  Armazenar todos os líquidos inflamáveis em depósitos apropriados para isso ou salas de corte.

7) Informar o corretor e a seguradora se houver alguma mudança nas operações ou novos procedimentos perigosos;


Notícias do Mercado Moveleiro

Conheça nossas publicações:

eMobile

Atualizado diariamente por uma equipe de jornalistas profissionais, o Portal eMóbile agrega as notícias mais atuais e relevantes para os profissionais do setor moveleiro, sejam eles industriais, varejistas, marceneiros ou designers e arquitetos.


  • CONTATO
  • contato@revistamobile.com.br
  • Avenida Sete de Setembro
  • 6810, 2º andar - Cj 18
  • Seminário | 80240-001
  • Curitiba | Paraná
  • (41) 3340 4646