Desemprego cai em 16 estados no último trimestre de 2019

Informalidade é a maior desde 2016

Publicado em 17 de fevereiro de 2020 | 17:00 |Por: Everton Lima

Novos números divulgados pelo IBGE, na semana passada, mostram como a população brasileira está lidando com o desemprego. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) referente ao último trimestre de 2019, o desemprego apresentou queda em 16 estados.

O estado com a maior queda foi o Amapá (17,4%), seguido Bahia (17,2%). A menor queda foi registrada no estado de Santa Catarina (6,1%).

Ainda de acordo com o estudo, a população ocupada em todo o país atingiu a marca de 94,5 milhões de trabalhadores no quarto trimestre de 2019 — um aumento de 0,8% em relação ao trimestre anterior e de 2% na comparação com o mesmo período do ano passado. No último trimestre de 2019, 833 mil brasileiros deixaram a categoria de “desocupados”, uma queda de 7,1%.

533 mil trabalhadores passaram a trabalhar com carteira assinada — um aumento de 1,8% em relação ao trimestre anterior (julho a setembro de 2019) e de 2,2% em relação ao mesmo período de 2018.

Cresce a informalidade

No entanto, o IBGE mostra um aumento recorde no número de trabalhadores informais — 41,1% dos trabalhadores. Trata-se do maior índice desde 2016. São considerados informais os brasileiros que trabalham sem nenhum vínculo empregatício em carteira assinada, trabalhadores domésticos sem registro, trabalhador familiar auxiliar e empreendedores sem CNPJ.

A informalidade traz insegurança ao trabalhador, uma vez que ele não tem, por exemplo, acesso à renda em caso de acidente de trabalho. Ademais, a informalidade também contribui para o déficit previdenciário. Dos brasileiros ocupados, 37,1% não contribuem para a previdência.

– “Juros baixos e inflação controlada”. Economia teve destaque na Informa Meeting

 iSaloni 2020: empresas destacam sustentabilidade e economia circular

O nível de contribuição é maior na região Sul. Nela, 85% da população ocupada contribui. Já o menor percentual é encontrado na região Norte, em que menos da metade dos trabalhadores (44%) realiza a contribuição.

“A gente percebe que o crescimento da população contribuinte não está acompanhando o crescimento da população ocupada como um todo. Enquanto a população ocupada aumentou 2%, o contingente de contribuintes para a previdência só cresceu 1,7%”, aponta Adriana Beringuy, analista da pesquisa. “Como já vimos, o crescimento da população ocupada está calcado na informalidade. E, com o trabalho informal, diminui a contribuição previdenciária”, complementa.

Indústria e comércio geram vagas

O número de brasileiros trabalhando na indústria chegou a mais de 12,1 milhões no último trimestre no ano passado. Um aumento de 0,9% em relação ao terceiro trimestre.

Já o setor de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas contava com mais de 18 milhões de trabalhadores. Crescimento de 2,1% na comparação com o trimestre anterior. Apesar disso, o Brasil ainda tem mais de 11,6 milhões de desocupados.

Foto: Winsol Dias/Agência Brasil | Com informações da Agência IBGE

 


Notícias do Mercado Moveleiro

Conheça nossas publicações:

eMobile

Atualizado diariamente por uma equipe de jornalistas profissionais, o Portal eMóbile agrega as notícias mais atuais e relevantes para os profissionais do setor moveleiro, sejam eles industriais, varejistas, marceneiros ou designers e arquitetos.


  • CONTATO
  • contato@revistamobile.com.br
  • Avenida Sete de Setembro
  • 6810, 2º andar - Cj 18
  • Seminário | 80240-001
  • Curitiba | Paraná
  • (41) 3340 4646