Ciser lança parafusos Plast Ultra para fixação em plásticos

Os parafusos Plast Ciser Ultra oferecem um torque de remoção superior comparado com as roscas convencionais

Publicado em 2 de março de 2021 | 07:43 |Por: Cleide de Paula

A Ciser, maior fabricante de fixadores da América Latina, lança no mercado os parafusos Plast Ultra, ideais para fixação em substratos plásticos submetidos a vibrações. Exclusivo e patenteado, o novo produto vem para complementar o mix da empresa, que se destaca no fornecimento de soluções para indústrias de diversos segmentos.

Indústria moveleira no e-commerce consolida a tendência e se torna cada vez mais importante

Os parafusos Plast Ciser Ultra oferecem um torque de remoção superior comparado com as roscas convencionais, sendo indicados para aplicações em máquinas de lavar, centrífugas, serras elétricas, lavadoras a jato, cortadores de grama, entre vários outros produtos. O parafuso possui uma geometria de rosca inovadora, desenvolvida para aumentar a área de contato com o substrato, garantindo pelo menos 20% de aumento do torque necessário para a remoção.

Com três acabamentos disponíveis (zincado branco, zincado preto e Nanotec®), o novo fixador tem alta resistência ao afrouxamento vibracional, elimina a necessidade de dispositivos de travamento suplementares e permite a reinserção do parafuso após sua remoção, se necessário.

A Ciser

Marca de excelência, a Ciser tem capacidade produtiva de 6,6 mil toneladas/mês e portfólio de 27 mil produtos divididos em 500 linhas, para atender clientes em mais de 20 países. Mais de 1.600 colaboradores estão divididos entre as unidades de Araquari/SC e Sarzedo/MG. As instalações se completam com o centro de distribuição e o centro administrativo, situados em Joinville/SC.

Com 61 anos de história, a companhia segue investindo fortemente em inovação tecnológica e conduz ações de responsabilidade socioambiental. Ao longo de seis décadas de investimentos, aquisições e ampliação dos segmentos em que atua, a Ciser se tornou uma das maiores empresas de Santa Catarina. Seus produtos cobrem diversos segmentos, como agronegócio, energia solar, moveleiro, metalmecânico, construção civil, estruturas metálicas, automotivo, linhas branca e marrom, petróleo e gás, eletrônica e varejo da construção civil.

Recentemente, a empresa lançou a Loja Ciser, ferramenta inédita na indústria de fixação, desenvolvida exclusivamente para os seus clientes de todo o Brasil.

SIMM reúne associados para discutir preços e crise de fornecimento

Fabricantes de móveis da região noroeste do Estado de São Paulo relatam aumento nos preços dos insumos na casa de dois dígitos

Publicado em 26 de fevereiro de 2021 | 16:08 |Por: Cleide de Paula

O Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol (SIMM) realizou uma reunião na última quarta-feira (24 de fevereiro de 2021) para tratar de vários assuntos, entre os quais, a falta de matéria-prima para a produção de móveis e o aumento abusivo de insumos.

– Andrea Krause: Onde se inspirar para criar seus projetos de móveis em 2021

Maic Canera, presidente do Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol (SIMM)

Maic Caneira, presidente do Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol (SIMM)

Para Maic Caneira, presidente do SIMM, a falta de matéria-prima e insumos deu uma amenizada, embora ainda esteja encontre-se em estágio bem crítico. “Mas, acredito que nos próximos meses se normalize. Em algumas indústrias a entrega está mais complicada que a outra. Mas a questão mais complexa no momento é a de preço”, destacou.

De acordo com o dirigente, os fornecedores da indústria moveleira estão subindo os valores de forma galopante. “Quando pensamos que não tem mais espaço pra subir os valores de acessórios ou insumos, os fornecedores reajustam a tabela. E não são reajustes de 3, 4 ou 5%, normalmente é 15 ou 20%”, relatou.

O SIMM

Fundado em 11 de agosto de 1993, o Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol – SIMM – representa o setor moveleiro da região noroeste do Estado de São Paulo compreendendo 15 cidades, entre elas, Bady Bassit, Bálsamo, Catanduva, Cedral, Guapiaçu, Ibirá, Jaci, Mirassol, Mirassolândia, Neves Paulista, Nova Granada, Olímpia, Potirendaba, São José do Rio Preto e Uchoa e contando com aproximadamente 200 empresas entre associados e filiados.

A sede do sindicato encontra-se em Mirassol distante 10 quilômetros de São José do Rio Preto, no epicentro da região que absorve, num raio de 500 quilômetros, 40% do mercado consumidor de móveis do país, um dos maiores da América do Sul.

A região se tornou um grande polo moveleiro dentro do Estado com uma história que começou com uma pequena marcenaria fundada em 1927 por Francisco Lopes Filho (Paquito). Naquela época não se imaginava que Mirassol viesse a ser a capital dos móveis em série meio século depois.

Abimóvel divulga manifesto em prol de reformas para o Brasil

“O Brasil precisa de mudanças, as mudanças precisam de reforma”, destaca a Abimóvel

Publicado em 26 de fevereiro de 2021 | 11:29 |Por: Thiago Rodrigo

Com espírito de unidade e compromisso de “A união faz a força”, a Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel) une-se a outras entidades nacionais representativas dos setores produtivos na assinatura de manifesto ao Congresso Nacional. O objetivo é reiterar a necessidade de reformas urgentes para o avanço de um país mais justo, igualitário, desenvolvido e de oportunidades para todos.

Femur tem data marcada

Segundo a Abimóvel, o Brasil precisa de mudanças urgentes e essas mudanças começam pelas reformas. O manifesto pode ser lido na íntegra abaixo:

“O Congresso Nacional tem nas mãos uma rara chance de mudar o Brasil, fazendo o País avançar na direção de uma vida melhor, com mais emprego e renda para nossa gente. Para isso, é imprescindível a redução da dívida do governo que, uma vez sem controle, obrigará o sacrifício dos brasileiros de hoje e das próximas gerações.

– Precisamos garantir recursos para o Auxílio Emergencial aos mais pobres: o recrudescimento da pandemia, impedindo a plena recuperação da atividade econômica, ameaça milhões de brasileiros.
– Precisamos conter o gasto público: a cada dia mais, o Governo se endivida para pagar suas contas. O endividamento já alcançou quase 90% de nosso Produto Interno Bruto (PIB). Para cobrir o rombo cobram-se juros cada vez maiores e quem os paga somos nós, os brasileiros.
– Precisamos incentivar investimentos e gerar empregos: não há como reduzir o desemprego, que afeta 14% dos nossos trabalhadores, com juros altos e contas públicas deficitárias que afugenta empresas e desestimula empreendedores.
– Precisamos da rapidez à agenda de mudanças: O Congresso que já aprovou uma Nova Previdência está convocado a avançar nas Reformas. E o próximo passo é a aprovação da PEC Emergencial. Além de garantir o Auxílio Emergencial aos que mais precisam durante a pandemia, o texto aprovado precisa trazer medidas robustas de contenção dos gastos públicos.

Sres. deputados e senadores, Sres. presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, o Brasil precisa avançar. O Congresso tem a oportunidade irrecusável de atender aos anseios dos mais vulneráveis aos efeitos econômicos da pandemia e, simultaneamente, conter a escalada da dívida pública que atormenta nosso presente e ameaça nosso futuro. O Brasil precisa de mudanças, as mudanças precisam de reforma. O Brasil não pode esperar”.

Indústria moveleira no e-commerce consolida a tendência e se torna cada vez mais importante

Região Sul está entre os destaques de vendas do varejo eletrônico, com alta de 66,22%, em dezembro de 2020 em relação ao mesmo período de 2019

Publicado em 24 de fevereiro de 2021 | 11:34 |Por: Thiago Rodrigo

Ao final de um ano marcado pela pandemia, que impactou os segmentos econômicos mundiais de forma negativa, poucos poderiam imaginar que 2020 sinalizaria uma nova tendência. A indústria moveleira no e-commerce nunca havia vendido tanto, um formato que tem demonstrado, mesmo em outros segmentos, franca expansão no Brasil.

Em dezembro de 2020, a alta registrada foi de 53,83%, em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com o Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital. Considerando-se separadamente as regiões brasileiras, o Nordeste foi aquela que obteve os melhores índices em dezembro, com aumento de 77,63% nas vendas do varejo eletrônico. Em seguida, aparecem a região Sul (66,22%), Sudeste (48,32%), Centro-Oeste (46,99%) e Norte (39,25%). No ano, o destaque foi novamente o Nordeste (100,34%), também seguido pelo Sul (incluindo os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná), com 79,22% de alta.

Fator home office

O isolamento imposto para conter o avanço da Covid-19 fez com que as pessoas passassem mais tempo em suas casas e empresas – de acordo com suas atividades – começassem a aderir ao teletrabalho, rendendo fôlego à indústria moveleira. As boas experiências também contribuíram para que o consumidor confiasse mais no comércio pela web, quebrando barreiras psicológicas em algumas categorias, como a moveleira, quando as pessoas queriam ver o material de perto antes de efetivar a compra.

Sindimol lança programa de capacitação de mão de obra

Cada vez mais a venda digital, realizada pela primeira vez para atender às necessidades, deve continuar, independente da pandemia. “Aconteceram umas mudanças de hábitos, fazendo com que as pessoas observassem melhor o espaço onde se encontram, desejando torná-lo mais confortável sem perder a praticidade. O home office teve boa parcela de responsabilidade nisso”, defende Rogério Francio, presidente da Associação das Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul (Movergs).

Indústria moveleira no e-commerce

O e-commerce que, antes da crise sanitária e econômica, não era muito comum, se tornou um canal adicional de vendas para a indústria de móveis. “As empresas mais preparadas para atuar nesse formato foram aquelas que obtiveram, e seguem registrando, os melhores resultados”, reitera Francio. Esse cenário corrobora a realidade transformada pelo mundo digital, basta verificar o crescimento real de 41,2% do comércio eletrônico em 2020, em relação ao ano anterior, conforme o boletim sobre notas fiscais eletrônicas da Receita Federal.

Sindimol lança programa de capacitação de mão de obra

Objetivo é formar 100 profissionais marceneiros e operadores de máquinas em 2021 para atuar nas fábricas de móveis e marcenarias

Publicado em 23 de fevereiro de 2021 | 12:14 |Por: Thiago Rodrigo

Preocupados com a escassez de mão de obra qualificada para atuar nas fábricas de móveis seriados e marcenarias do polo moveleiro de Linhares, o Sindicato das Indústrias da Madeira e do Mobiliário de Linhares e Região Norte do ES (Sindimol), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem da Indústria, Senai, lança o programa de qualificação de mão de obra. A previsão é capacitar 100 profissionais ainda este ano.

O presidente do sindicato, o empresário Bruno Barbieri Rangel, explica que com o crescimento do setor industrial do município as fábricas de móveis foram afetadas pela migração de profissionais para outras indústrias, o que influência diretamente na produtividade. Por isso a decisão de investir na formação de mão de obra.

“O setor industrial em Linhares cresceu de forma considerável nos últimos anos, criando uma concorrência por mão de obra especializada. As fábricas de móveis foram bastante afetadas com a migração de profissionais para outras indústrias, o que influencia diretamente em nossa produtividade. Isso exige de nós empenho para fomentar o interesse da sociedade em trabalhar na indústria moveleira de nossa região”, esclarece Barbieri.

Setor moveleiro de Santa Catarina cresce em 2020

Outro motivo importante para formação de profissionais, segundo o presidente, é o crescimento tecnológico do setor. “Nossas indústrias cresceram e se modernizaram, e para continuar se desenvolvendo precisamos cada vez mais de profissionais qualificados e capacitados, que possam contribuir de forma efetiva com a melhoria dos processos de produção e de qualidade dos produtos”, afirma.

O empresário e diretor de comunicação do Sindimol, Gustavo Nascimento, da Panan Móveis, diz que já sofre com a falta de profissionais qualificados no mercado, por isso vê com bons olhos a iniciativa do sindicato. Para ele essa também é uma maneira de criar oportunidade para comunidade local.

“Nós já sentimos os efeitos da falta de mão de obra específica, qualificada, por isso apoiamos essa iniciativa do sindicato. Essa também é uma maneira de valorizar a comunidade que estamos inseridos, gerando oportunidade e renda para as famílias locais, e ganhos de produtividade e qualidade para as empresas moveleiras”, destaca Gustavo.

Capacitação no polo moveleiro de Linhares

A formação dos novos profissionais se dará por meio do programa Jovem Aprendiz, reformulado para atender as demandas do setor. Igualmente por meio do curso de operadores de máquina, desenvolvido pelo Senai, com a mesma finalidade. As aulas da primeira turma de jovens aprendizes, com 20 alunos, já começaram e são voltadas para formação de marceneiros. A turma de operadores de máquina, também com 20 alunos, terá início no próximo dia 08 de março.

O curso de Jovem aprendiz será feito 100% no Senai, já o de operadores será realizado, parte no Senai, e parte nas fábricas. André Pessoti, diretor de tecnologia do Sindimol, fala da importância do Senai nesse processo de formação de mão de obra.

“O Senai, além de todo o conhecimento técnico, é uma instituição de ensino, ou seja, também tem a expertise educacional. Isso proporciona aprendizado mais completo e rápido, já que possuem métodos para isso”, pontua Pessoti.

André disse ainda que os custos com o curso de operador de máquina serão pagos pelas empresas. A seleção dos alunos também será feita pelas empresas, por meio de triagem entre os colaboradores das indústrias, oportunizando assim capacitação para quem já está atuando no setor.

Setor moveleiro de Santa Catarina cresce em 2020

Produção industrial moveleira catarinense cresceu 2,4% em 2020, impulsionada pelo crescimento nas vendas de móveis no Brasil em 2020

Publicado em 23 de fevereiro de 2021 | 10:07 |Por: Thiago Rodrigo

O setor moveleiro de Santa Catarina registrou uma elevação de 2,4% na produção industrial de móveis. O resultado no Estado foi muito superior ao alcançado pelo setor moveleiro como um todo no Brasil, que não conseguiu recuperar as perdas dos primeiros meses e fechou o ano com um recuo de 3,8%. Na indústria de forma geral, no país, a queda foi ainda maior e chegou a 4,5%, segundo levantamento do IBGE.

A mudança de comportamento do consumidor brasileiro após a paralisação das atividades provocada pela pandemia, ao longo do ano passado, fez a venda de móveis alcançar 11,9% de crescimento. Foi o segmento que mais avançou em volume de vendas em 2020 no país, em relação ao ano anterior, conforme Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE.

Greenplac lança três novos padrões

O comércio sentiu o aumento da demanda por móveis a partir do mês de junho, quando as vendas passaram a crescer de forma constante até dezembro. No varejo catarinense, a alta foi de 6,9%. O estado de São Paulo, por sua vez, para onde é destinada grande parte da produção de móveis do polo moveleiro de São Bento do Sul, o crescimento foi de impressionantes 21,4%.

Com o varejo aquecido, as indústrias moveleiras passaram a trabalhar em plena capacidade. O ritmo de produção proporcionou, inclusive, novos desafios a serem superados, como dificuldade na contratação de mão de obra e escassez e, consequentemente, alta de preços de matérias-primas.

Setor moveleiro de Santa Catarina

Para o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul (Sindusmobil), os reflexos das mudanças impostas pela pandemia, como isolamento social e realização de atividades em home office, incentivaram as famílias a investir em seus lares.

“As pessoas passaram a renovar o mobiliário e atualizar a decoração para melhor conforto e bem-estar em suas casas. Como fabricantes, vimos a produção aumentar nos últimos meses para atender à crescente demanda do mercado”, avalia Fernando Hilgenstieler.

O desempenho positivo do mercado refletiu nos índices de empregabilidade. Segundo dados do Novo Caged, o saldo de empregos em 2020 foi de 25.192 vagas criadas na indústria da transformação em Santa Catarina. Desse total, 5.026 postos foram criados no setor de madeira móveis, que é o quarto maior gerador de mão de obra no Estado. O mesmo levantamento mostra que, em São Bento do Sul, o segmento fechou com um saldo positivo de 79 vagas no ano passado.setor moveleiro de Santa Catarina

Diretor comercial da Moval, Ivan Oliveira falece de Covid-19

Segundo informações, Ivan estava passando férias em Santa Catarina, onde acabou passando mal e ficou internado por 45 dias

Publicado em 22 de fevereiro de 2021 | 16:34 |Por: Thiago Rodrigo

Ivan Cleber Oliveira, 48 anos, diretor comercial da Moval, fabricante de móveis de Arapongas (PR), faleceu na manhã desta segunda-feira (22/02), por complicações da Covid-19.

Segundo informações, Ivan estava passando férias em Santa Catarina, onde acabou passando mal. Desse modo, precisou ficar internado por mais de um mês, mais exatamente há 45 dias, em um hospital de Camboriú. No entanto, não resistiu às complicações causada pela doença. A Moval fez uma nota de falecimento para o estimado profissional do qual a família agradeceu a todos que colaboraram com orações e mensagens positivas.

O prefeito de Arapongas Sérgio Onofre, lamentou a morte do empresário. “Foi com grande tristeza que recebemos a notícia do falecimento do empresário Ivan Cleber de Oliveira, diretor da Moval, em decorrência da Covid-19. Nossos mais profundos sentimentos aos amigos e familiares”, publicou nas redes sociais.

A Movelpar e o Expoara também lamentaram a morte de empresário. “O Expoara e a Movelpar comunicam com muito pesar a perda de Ivan Cleber Martins e Oliveira. Agradecemos a parceria de Ivan que sempre contribuiu para o desenvolvimento e crescimento do polo moveleiro de Arapongas. Ivan era acionista do Expoara, diretor da Moval e um empreendedor de grande visão. Deixamos nossa solidariedade a toda família Moval, parentes e amigos de Ivan. Siga em Paz”.

Grupo K1 lança série de desenhos animados para o público infantil

Clubinho da Kaká é o nome da série de desenhos animados voltada para a primeira infância. Iniciativa faz parte das ações que marcam os 25 anos do Grupo K1

Publicado em 18 de fevereiro de 2021 | 17:24 |Por: Cleide de Paula

O Grupo K1- maior indústria do setor moveleiro da América Latina – está apoiando um novo projeto. Trata-se do Clubinho da Kaká – uma série de desenhos animados voltados para a primeira infância.

A série conta com 24 episódios que visam contribuir para o processo de desenvolvimento cognitivo, psicomotor, sensorial e de linguagens das crianças de zero a cinco anos. Com elementos lúdicos como a musicalidade e a dança, o Clubinho da Kaká pretende também despertar a imaginação e a criatividade dos pequenos. A exibição gratuita através do canal do YouTube do Grupo K1. Serão lançados dois episódios por mês no período de um ano.

Exportações de móveis e colchões em 2020 registram aumento

Vídeos educativos

O Clubinho da Kaká conta a história de Kaká e seus amigos Gi, Bê e Pipo, além da cachorrinha Kakau. A cada episódio, essa turminha se aventura pelas descobertas e brincadeiras do cotidiano da primeira infância. Os vídeos perpassam temas educativos como as cores, números, vogais, animais, corpo humano, sentimentos, amizade, hábitos saudáveis de alimentação e higiene, entre outros assuntos que auxiliam no desenvolvimento infantil. As histórias também chamam atenção para questões como respeito a diversidade, ao meio ambiente, as relações sociais e a formação de vínculos, buscando estimular a formação de senso crítico e reconhecimento de limites.

O projeto é viabilizado por meio de financiamento do Pró-Cultura RS, da Secretaria de Estado da Cultura, Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

25 anos do Grupo K1

O lançamento do Clubinho da Kaká faz parte das iniciativas que marcam os 25 anos do Grupo K1. Além da série animada, o Grupo lançou, recentemente, mais um canal de relacionamento disponível ao público: Ká, a assistente virtual da Kappesberg. Ela atenderá clientes, consumidores e montadores, tirando dúvidas por meio de um chat bot para o aplicativo de mensagens WhatsApp. Além disso, a Ká atuará também como criadora de conteúdos da marca nas redes sociais, ambientada em uma casa virtual com todos os cômodos planejados e elaborados por especialistas da empresa.

O Grupo K1

Com sede no município de Tupandi (RS), o Grupo K1 é o hoje o maior grupo do segmento moveleiro da América Latina. A empresa tem forte atuação em todo o Brasil, além de exportar seus produtos para 47 países em todos os continentes. Recentemente, instalou sua primeira unidade fora do Rio Grande do Sul, no município de Santa Rita, na Paraíba.

Entre as marcas da companhia estão a Kappesberg, presente em mais de 35 mil pontos de vendas, e a UZ Utilidades, presente em cerca de 25 mil pontos de vendas. Já a Idélli Ambientes, especializada em móveis planejados, possui 31 franquias no Brasil, uma em Miami (EUA) e outra no Paraguai. Outra marca da K1, a My Home, conta com 33 franquias e 12 lojas multimarcas.

Projeto Clubinho da Kaká

Patrocínio:Kappesberg

Financiamento Pró-Cultura RS – Secretaria da Cultura do Estado do Rio Grande do Sul

Animação: Alopra Studio

Trilha Sonora: Maria Viola

Produção: CUCO Produções e Grupo Consultoria

Assessoria de imprensa: Dona Flor Comunicação

Redes sociais: Patuá – Conteúdo Criativo

Adwords: Camila Lopez

Exportações de móveis e colchões em 2020 registram aumento

Abimóvel divulga dados consolidados da exportação e importação de móveis e colchões em 2020

Publicado em 18 de fevereiro de 2021 | 12:25 |Por: Thiago Rodrigo

O panorama do comércio externo de móveis e colchões no Brasil em 2020 é animador. As exportações de móveis e colchões fecharam o ano de 2020 com um crescimento de 5,1% em volume em relação ao resultado do acumulado de 2019. Em termos de valores exportados, US$ 628,2 milhões, houve recuo de 2,5%, também comparado com o ano anterior.

O preço médio geral dos produtos exportados apresentou decréscimo de 6,8%. Desse modo, refletido em números, mostra uma média de US$ 0,13 centavos por quilo, com o recuo de US$ 1,92 em 2019, para US$ 1,79 em 2020, no valor médio por quilo exportado. Essa queda foi mais do que compensada pela valorização do dólar americano frente ao real, em taxa próxima a 40% em 2020 frente a 2019.

Os dados são da Conjuntura de Móveis, relatório mensal idealizado pela Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel) em parceria com o Iemi – Inteligência de Mercado. Dadas às circunstâncias com que esses números se apresentam, com a pandemia mundial e suas implicações ao redor do globo, a Abimóvel entende que tais resultados refletem um cenário promissor e relevante para o comércio exterior.

Destinos das exportações de móveis brasileiros

Primeiramente, destaca-se como destino das exportações de móveis os Estados Unidos, com participação bastante significativa de 39,9% dos valores exportados. O país norte-americano teve aumento de 11,5% em relação a 2019, demonstrando a força da relação entre esses dois mercados.

Setor moveleiro cresce em vendas no RS

A exemplo do que aconteceu no Brasil, o varejo de móveis americano experimentou um aquecimento substancial no segundo semestre de 2020. Situação que deverá se manter durante o primeiro trimestre deste ano, continuando estável até pelo menos 2024, segundo análise de especialistas locais. Tais projeções indicam boas oportunidades de negócios com o país também neste e nos próximos anos.exportação de móveis

Em segundo lugar no ranking aparece o Reino Unido, com 8,6% de participação no acumulado de janeiro a dezembro de 2020. Apesar da boa colocação, nesse caso houve queda de 16,8% em termos de valores exportados frente ao registrado em 2019. Vale ressaltar que o varejo britânico enfrenta graves sanções devido a uma segunda onda ainda mais severa da pandemia por lá, que levou o governo local a impor medidas bastante restritivas de distanciamento social e fechamento de lojas físicas. Em contrapartida, o avanço na vacinação nos territórios britânicos aponta para uma recuperação econômica potencialmente mais rápida do que em outros mercados.

O Uruguai aparece em terceiro lugar, com 7,4% do total exportado, representando queda de 6,7%. Seguido, então, por outros parceiros sul-americanos: Chile (6,6%), Peru (5,1%) e Paraguai (3,3%). As relações com os Países Baixos (Holanda) vêm demonstrando evolução nos últimos anos, aparecendo como o sétimo mercado no ranking de exportações de móveis brasileiros em 2020: 2,8% de participação entre janeiro e dezembro do ano passado, apontando leve crescimento (0,4%) em relação ao acumulado de 2019.

Países de origem das importações

Ainda no acumulado de janeiro a dezembro de 2020, o Brasil importou US$ 193,8 milhões em móveis e componentes para móveis. Queda de 8,7% sobre o mesmo período do ano anterior. Em termos de participação, a China foi a origem de 77,9% das importações totais realizadas pelo Brasil no período. Seguida pela Itália, com 5,3%, e os Estados Unidos com 2,8%.

Em termos de variação do valor importado, boa parte dos países apresentaram queda no montante enviado ao Brasil quando comparado com o mesmo período do ano anterior. Espanha (1,8%), Coréia do Sul (0,5%) e Israel (0,6%) foram os únicos países que, na contramão, apresentaram crescimento no período. No lado negativo, a Alemanha registrou a maior queda como origem das importações brasileiras na indústria moveleira entre janeiro e dezembro do ano passado, indo de 1,3% no consolidado do ano de 2019 para 0,9% em 2020.importação de móveis

Projeto Brazilian Furniture

Para entender melhor a dinâmica do comércio externo de móveis no Brasil, acompanhe as novidades do Projeto Brazilian Furniture, fruto da parceria entre a Abimóvel e a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. Em tempo, a renovação do convênio para o exercício de 2021-2023 entre as instituições foi firmada na semana passada (11). O último ciclo do projeto, que terminou em dezembro de 2020, apoiou 187 empresas, sendo 142 empresas exportadoras que totalizaram mais de R$ 598,26 milhões exportados nos últimos dois anos.

“As empresas que participam do Brazilian Furniture cresceram cerca de 50% a mais do que aquelas que não fazem parte. Estamos em um momento especial de alavancar nossa presença internacional e explorar características como nossa criatividade, materiais e design”, pontua a presidente da Abimóvel, Maristela Cusin Longhi. Ela ainda destaca que a indústria brasileira é pujante e tem capacidade de atender a todos os mercados mundiais. “Já somos o sexto maior produtor de móveis no mundo e temos ainda muito a crescer”, completa.

Divulgação Abimóvel

Brazilian Furniture

Representantes da Abimóvel e da Apex-Brasil reunidos para assinatura da renovação do convênio do Projeto Brazilian Furniture, de fomento à exportação de móveis

Com a cerimônia de assinatura do convênio tendo acontecido na sede da Apex-Brasil, em Brasília (DF), o presidente da instituição, Sergio Segovia, aproveitou a oportunidade para compartilhar uma particularidade bastante especial sobre o local, mobiliado com peças cedidas por empresas integrantes do Projeto Brazilian Furniture: “A Apex-Brasil é uma verdadeira vitrine do mobiliário nacional. Sempre que recebemos visitantes internacionais percebemos a boa impressão que nosso mobiliário deixa. Mostramos com muito orgulho a todos que tudo é material brasileiro e produtos da indústria nacional”.

Greenplac lança três novos padrões de MDF em 2021

Os novos padrões Rosato, Volato e Verbenni adicionam novas cores e texturas ao catálogo da Greenplac. Agora a marca oferece 36 padrões diferentes

Publicado em 16 de fevereiro de 2021 | 07:24 |Por: Cleide de Paula

Com o futuro em mente, a Greenplac tem trabalhado na verticalização e expansão da indústria de MDF, bem como a consolidação da marca no mercado brasileiro. O plano traçado pela empresa já está em prática desde o início das atividades, em 2018, e hoje, a marca colhe os frutos dos investimentos na tecnologia, inovação e verticalização de seus processos.

Em 2021, a Greenplac pega carona no sucesso de vendas dos lançamentos do ano passado e se inspira nas novas tendências do mercado nacional e internacional de moda casa. As linhas de MDF deixam de ser quatro e se tornam cinco – Toccare Colore, Toccare Texture, Essenziale, Natural e Moderno.

“Com a ampliação da Toccare, tornamos a nossa paleta de cores cada vez mais completa”, relata Laís Carelo, gerente de marketing e administrativo da Greenplac. “Assim como grandes movimentos artísticos, a linha Colore ganha mais personalidade ao exaltar a atmosfera tradicional das paletas de pintura, criando um conceito contemporâneo nos ambientes em que estes padrões são aplicados”, diz ela. “Com a Linha Texture, queremos, também, que o cliente veja a textura pura e original de uma tela branca de pintura, que carrega a responsabilidade de receber grandes obras de arte”, continua Carelo.

Os novos padrões Rosato, Volato e Verbenni chegam para adicionar novas cores e texturas ao catálogo da Greenplac. Com os lançamentos, a marca oferece 36 padrões diferentes para seus clientes.

Com design sofisticado, moderno e qualidade garantida, os novos produtos são inspirados pelas tendências de design e, também, pelo comportamento do consumidor, ambos fatores que passaram por diversas mudanças ao longo de 2020, devido à pandemia da Covid-19. A necessidade de transformar os ambientes de casa em espaços funcionais e inspiradores, que sirvam tanto para o descanso quanto para o trabalho, foi o que ditou as decisões das equipes de pesquisa, marketing e comercial da marca a desenvolverem as novidades.

“Por meio de uma pesquisa extensiva, que teve início em agosto de 2020, identificamos as mudanças de mercado e as necessidades de nossos clientes e então trabalhamos para desenvolver novos padrões que estivessem alinhados com esse novo momento no design”, diz Laís Carelo, gerente de marketing da Greenplac.greeplac duas mulheres observam padrões de chapas MDF

Novos lançamentos

Rosato e Volato chegam para expandir e enriquecer a linha Toccare Texture. Já o padrão Verbenni entra na linha Toccare Colore. Os novos produtos trazem personalidade para os ambientes, podendo ser utilizados tanto como revestimento quanto na confecção de móveis. Essa característica é o que faz com que a Greenplac se destaque no mercado e esteja sempre à frente, criando e inspirando tendências.

Apesar de seguir a tendência dos tons rosados que estão tão em alta no mundo do design, o Rosato tem uma tonalidade sofisticada e diferente de qualquer outro padrão do tipo no mercado. Suave ao toque e também ao olhar, a cor desse produto funciona para aplicações tanto em detalhes pequenos, apenas adicionando interesse visual ao decor, como em grandes projetos e móveis. Longe de representar apenas o feminino, o Rosato poder ser utilizado em diferentes ambientes – quartos, salas, cozinhas, clinicas e até escritórios, atendendo aos mais variados públicos e idades.

– Setor moveleiro cresce em volume de vendas em 2020

O padrão Volato é um produto que precisa ser experimentado com o toque e o olhar – sua textura agradável, unida aos detalhes metalizados em formato de trama aplicados sob o leve tom de cinza do revestimento, elevam o design de qualquer ambiente. Versátil, este padrão pode ser aplicado com os materiais unicolores e combina perfeitamente com tons de madeirados claros e escuros, pois é capaz transforma qualquer ambiente comum em um espaço elegante.

O terceiro lançamento, Verbenni, retrata a preocupação da Greenplac em oferecer produtos únicos e diferenciados para seus clientes. Com tonalidade única e exclusiva da marca, o Verbenni une a natureza ao aconchego do lar. Esse padrão traz o verde das plantas para dentro de casa, sem perder a elegância e promovendo tranquilidade, equilíbrio e vitalidade no ambiente. A novidade combina com cores neutras e terrosas e é o complemento perfeito para a decoração com madeirados.

Novos catálogos com design moderno

As novas linhas e padrões não são o único diferencial que a Greenplac trará para o mercado este ano – além das novidades, a empresa repaginou todo o seu catálogo, mostruários e papelaria. O conceito representa em pinceladas e texturas, a criatividade artística que o cliente viverá na prática.

Greenplac mostruário novos padrões 2021

O intuito dessa mudança é proporcionar aos clientes, arquitetos e marceneiros uma experiência única na hora de selecionar os produtos que farão parte dos projetos. A novidade ressalta o que há de melhor nos produtos Greenplac – sua modernidade e qualidade. Além desse investimento conceitual, a Greenplac instalará, também, novos showrooms nos pontos de venda ao longo do ano.

Com o novo design, a empresa destaca como diferencial seu portfólio enxuto e completo, com padrões totalmente alinhados com as melhores e maiores tendências do mercado. Essa novidade chega aos mais de 150 pontos de venda em que a Greenplac marca presença em fevereiro, assim como os novos padrões.


eMobile

Atualizado diariamente por uma equipe de jornalistas profissionais, o Portal eMóbile agrega as notícias mais atuais e relevantes para os profissionais do setor moveleiro, sejam eles industriais, varejistas, marceneiros ou designers e arquitetos.


  • CONTATO
  • contato@revistamobile.com.br
  • Avenida Sete de Setembro
  • 6810, 2º andar - Cj 18
  • Seminário | 80240-001
  • Curitiba | Paraná
  • (41) 3340 4646