Greenplac alcança 1 milhão de m³ de MDF produzidos

Indústria de MDF, hoje entre as mais modernas do Brasil, se consolida dia após dia e se prepara para jornadas desafiadoras

Publicado em 19 de maio de 2022 | 08:19 |Por: Thiago Rodrigo

Em menos de quatro anos no mercado, a Greenplac atingiu um marco histórico em sua trajetória. A indústria de MDF considerada nova e moderna com tecnologia alemã, alcançou 1 milhão de m³ de MDF produzidos, além de investimentos de mais de R$ 100 milhões previstos para 2022 em floresta, agricultura, sustentabilidade e indústria.

Este marco reflete a capacidade de produção da indústria, assim como sua estabilidade no mercado moveleiro. Presente entre os grandes players do segmento, a Greenplac atua, hoje, em mais de 200 pontos de vendas ao redor do Brasil e fornece ao mercado mais de 38 produtos em um catálogo enxuto e completo.

“Para chegar a este patamar e capacidade de produção, foram muitos investimentos e trabalho em equipe, que tiveram seus desafios, e a Greenplac vem superando todos eles”, diz José Roberto Colnaghi, Presidente do Conselho de Administração da Asperbras, empresa detentora da marca de MDF.

Greenplac

Greenplac

José Roberto Colnaghi, presidente do conselho da Asperbras

Os desafios em questão fazem referência também aos dois anos de pandemia, em que o mercado enfrentou dificuldades como o aumento do preço dos insumos, a escassez de matéria prima e muitos outros fatores. Tudo isso foi acompanhado, também, por um aumento na demanda por MDF.

“Felizmente, devido à autossuficiência de nosso processo produtivo – que inclui o plantio de eucalipto certificado, a produção de resina e formol, aquisição de impregnadora, entre outros insumos – a Greenplac conseguiu atender tal demanda. Esses fatores, alinhados com nossa estratégia em manter um portfólio de produtos completo, nos auxiliou a superar nossos resultados de produção”, acrescenta o empresário.

MDF Greenplac

Conhecida por ser uma empresa nova de moderna, a Greenplac complementa sua linha com o MDF HR Hidrorresistente e com o MDF Preto TX. O MDF HR chega nas versões Cru e Branco TX, nas espessuras de 6 mm, 15 mm e 18 mm e possuem densidades que variam de 730 a 780 kg/m³ dependendo da espessura do painel.

O produto tem como principais características a maior resistência a umidade, menor inchamento quando exposto a áreas úmidas e, ainda, a maior durabilidade em função da sua resistência a umidade.

Exportações de móveis e colchões crescem no primeiro trimestre

Todos os painéis hidrorresistentes são constituídos de fibra de eucalipto aglutinados com resinas especiais, e possuem maior resistência físico-mecânica em ambientes normais. A utilização em ambiente interior úmido também é possível, já que o produto mantém as características físicas e mecânicas de uma chapa normal.

Já o MDF Preto TX é um produto clássico, que pode ser utilizado em todos os tipos de ambientes, seja como destaque, seja em detalhes pontuais. Em constante evolução a Greenplac promete, ainda este ano, novos lançamentos que irão aumentar a produtividade e movimentar mais o setor moveleiro.

Exportações de móveis e colchões crescem 8,8% no 1º trimestre

Segundo Abimóvel, em março as exportações de móveis e colchões tiveram recuo comparado a 2021, mas comparativo trimestral é positivo

Publicado em 18 de maio de 2022 | 06:49 |Por: Thiago Rodrigo

Em março de 2022, o Brasil exportou cerca de US$ 71,6 milhões (FOB) em móveis e colchões. Embora o resultado represente um recuo de 3% quando comparado com março de 2021 — um ano histórico para as exportações de móveis e colchões —, no acumulado do primeiro trimestre deste ano, ou seja, de janeiro a março, houve aumento de 8,8% em comparação a igual período do ano passado.

Isso demonstra que o comércio exterior continua em marcha ascendente, caminhando para o fechamento de mais um semestre animador para as empresas exportadoras. A variação nos últimos 12 meses teve crescimento de 42% no montante exportado pelo Brasil no setor moveleiro.

Os indicadores são extraídos da “Conjuntura de Móveis” e do “Monitoramento das Exportações de Móveis”, relatórios mensais desenvolvidos pelo Iemi – Inteligência de Mercado com exclusividade para a Abimóvel – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário, que, em parceria com a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, é também responsável pelo Projeto Setorial Brazilian Furniture, de incremento às exportações e à internacionalização do design e da indústria moveleira nacional.

Linhas de produto

Por linha de produto, nota-se que os móveis de madeira representaram 82,9% do total exportado pelo País. A segunda maior participação foi da linha de móveis estofados, com uma parcela de 11,6%. Por fim, colchões e móveis de metal tiveram uma participação de 2,8% e 2,7%, sequencialmente.

Móvel Brasil terá edição em Balneário Camboriú

Na variação mensal, observou-se que dois segmentos apresentaram crescimento quando comparado com março de 2021. São eles: móveis de estofados, +30,8%; e móveis de metal, +18,9%. As exceções foram os segmentos de colchões, -9,4%; e de móveis de madeira, -6,7%. Estes últimos dois sendo alguns dos principais focos da demanda aquecida no setor moveleiro durante os últimos dois anos, tanto no mercado interno quanto externo, justificando-se a reestabilização do consumo agora em 2022.

Destinos dos móveis e colchões

Voltando ao acumulado do primeiro trimestre deste ano, de acordo com os indicadores apresentados na Conjuntura de Móveis, as exportações de móveis e colchões para os Estados Unidos — destino da atual ação do Projeto Brazilian Furniture — continuam como o maior destino do setor, com participação de 35,4%. O Chile permaneceu em segundo lugar, como destino de 8,2% das exportações do setor; seguido pelo Reino Unido; com 8,1% do total exportado no período.exportações de móveis e colchões

Na comparação mensal, os destaques ficaram com a França e a Alemanha, com crescimentos de 90,6% e 100,7%, respectivamente. Apesar dos dois países não terem um grande peso em termos de participação, isto é, França (3,4%) e Alemanha (2,4%), porém, tal evolução indica potencialidade na relação comercial com estes destinos, que, inclusive, já configuram como mercados-alvo do Brazilian Furniture, com ações especiais para associados ao projeto.

Exportações de móveis e colchões

No que diz respeito às principais origens das exportações brasileiras no setor, os três estados da região Sul são os maiores do País. Juntos, Santa Catarina (37,5%), Rio Grande do Sul (31,1%) e Paraná (15,0%) corresponderam a 83,5% das exportações de móveis nacionais no primeiro trimestre de 2022.exportações de móveis e colchões

 

Incêndio atinge fábrica da Artecola em Tatuí (SP)

Na semana em que comemorou 74 anos de fundação, planta industrial em Tatuí (SP) sofre com incêndio sem vítimas

Publicado em 18 de maio de 2022 | 05:50 |Por: Thiago Rodrigo

A Artecola Química, por meio de comunicado de imprensa, lamentou informar que um incêndio na madrugada da segunda-feira (9/5) atingiu sua planta industrial de Tatuí (SP), localizada no bairro Jardim Gonzaga. O incidente foi rapidamente identificado e não registrou vítimas, preocupação primeira da empresa. As causas seguem em apuração. O incêndio ocorre na semana em que a empresa comemorou 74 anos de história.

Assim que verificou o foco, a Brigada de Incêndio da Artecola acionou o Corpo de Bombeiros. A ocorrência foi atendida pelo 4º Subgrupamento de Tatuí, subordinado ao 15º Grupamento dos Bombeiros, de Sorocaba. Além do combate às chamas, houve o trabalho de rescaldo, ação decisiva para que os danos não fossem ainda maiores.

A Artecola agradece pela dedicação e empenho do grupamento dos bombeiros que combateram as chamas. “Estamos fazendo o máximo esforço para que este incidente afete o mínimo possível nosso fluxo de entregas, e avaliando os impactos do evento em nossa linha de extrusão”, informou, ainda, a empresa, que acrescenta: “O que nos tranquiliza é saber que não houve feridos, garantindo a saúde e segurança de Nossa Gente, assim como não houve prejuízos à comunidade”.

Atualização (às 05h50 do dia 18/05)

Em comunicado, a Artecola Química tem a satisfação de informar que foi retomada, no dia 17/05, a produção de sua planta industrial de Tatuí (SP), localizada no bairro Jardim Gonzaga, que havia sido danificada por um incêndio, no último dia 09 de maio. Segundo a companhia, o incidente não deixou vítimas, o que é de fundamental importância para a empresa, mas causou avarias em uma máquina extrusora. O equipamento produz laminados especiais à base de polipropileno e fibras vegetais.

“Mesmo com os transtornos, foi possível normalizar a produção a partir de hoje, recompondo o ritmo normal dos trabalhos. As entregas da última semana foram remanejadas e estão sendo definidas com cada cliente. Mais uma vez, agradecemos à equipe da Artecola, ao Corpo de Bombeiros (4º Subgrupamento, de Tatuí, subordinado ao 15º Grupamento dos Bombeiros, de Sorocaba) e aos nossos parceiros pela ação, compreensão e solidariedade nesse momento. Contar com tantos apoios foi especial e nos estimula a seguir em nossa Missão: nós da Artecola existimos para criar valor através de soluções diferenciadas, promovendo o desenvolvimento sustentável e facilitando a vida dos clientes”, informa a empresa.Artecola

Artecola soma 4580 toneladas de material reutilizado

No Dia Internacional da Reciclagem, empresa comemora reciclagem de 80% de seus resíduos, números que mostram compromisso ambiental em dados do Relatório de Sustentabilidade da companhia

Publicado em 17 de maio de 2022 | 11:24 |Por: Thiago Rodrigo

Cuidar do Meio Ambiente é uma das prioridades da Artecola Química. As ações no pilar ambiental estão destacadas no Relatório de Sustentabilidade, recém-publicado pela companhia. Entre os resultados, está o índice de 80% de reciclagem de seus próprios resíduos e a reutilização de 4.580 toneladas de material, próprio e de outras indústrias.

Os dados são divulgados nesta terça-feira, 17 de maio, que marca o Dia Internacional da Reciclagem, instituído pela Unesco. “Por isso, nesta data fazemos questão de destacar o pilar ambiental de nossas ações. Ele é uma das bases para a perpetuação de nossos negócios”, destaca o Presidente Executivo, Eduardo Kunst.

A gestão de resíduos da Artecola é praticada dentro do conceito 3R’s (Recicle, Reuse e Reduza). A diretriz vem sendo amplamente aplicada na pesquisa de novos produtos. “Um de nossos objetivos estratégicos para esta dimensão da sustentabilidade é crescer continuamente a participação de soluções sustentáveis em nosso portfólio. Esse objetivo vem direcionando nossas ações internamente em todas as unidades, e, para o seu alcance, delineamos três indicadores que vêm gerando resultados positivos”, relata Kunst.

Indicadores Artecola

Um deles é o consumo de energia em relação à produção. Todas as unidades em conjunto tinham a meta de consumir o equivalente a 146 kW/hora para produção de uma tonelada de adesivos ou laminados. A meta foi alcançada. Em 2021, a empresa consumiu 136 kW/hora por tonelada produzida. Além disso, cada unidade da Artecola possui metas individuais para o consumo de energia elétrica de forma geral.

Outro indicador é o percentual de Receita Líquida apurada a partir de produtos com classificação sustentável. A meta era alcançar 57%. As nove plantas da Artecola na América Latina somaram 59%.

Promaflex anuncia investimentos

O terceiro item é a utilização de material reciclado na produção. O total previsto foi superado em 45,3%, em 2021. O objetivo projetado era de 3.152 toneladas. Ao final do ano, o total atingiu 4.580 toneladas. “São resíduos de outras indústrias e da própria produção, que deixam de ocupar aterros para voltarem ao ciclo produtivo. É mais de um caminhão por dia útil que deixa de virar lixo para se transformar em matéria-prima”, reforça o Presidente.

Resíduos sólidos

A Artecola também monitora a geração de resíduos em todas as unidades. O maior volume está classificado como Classe II (resíduos não perigosos, como madeira, papelão, plástico e sucatas metálicas). Em 2021, foram mais de 520 toneladas destinadas da forma correta, com apenas 20% encaminhados para aterro. Os demais 80% foram reciclados, com aplicação em blendas, coprocessamento ou reutilização.

Relatório disponível

O Relatório de Sustentabilidade foi publicado em versão online, e pode ser acessado no endereço www.artecolaquimica.com.br, na aba sustentabilidade. A publicação apresenta as ações de cunho social, ambiental e de governança de todas as unidades da empresa em 2021.

Para a organização do documento, foram observados os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e, também, os 10 princípios do Pacto Global. “A Artecola atua para atender as necessidades das gerações presentes comprometida com a preservação das gerações futuras”, afirma Eduardo Kunst.

Promaflex adquire equipamento para melhorar produção

Empresa adquire novo equipamento para produzir o IMPER e atende a clientes que vendem produtos customizados e trabalham com estoque zero

Publicado em 16 de maio de 2022 | 08:00 |Por: Thiago Rodrigo

A transformação do mercado brasileiro nos últimos dois anos levou a Promaflex, maior fabricante de filmes de proteção de superfícies da América Latina, a alterar radicalmente a linha de produção do IMPER, filme de laminação com adesivo acrílico, que impermeabiliza as impressões de rótulos e etiquetas.

Com a mudança, que incluiu a compra de um novo equipamento para ampliar em 50% a fabricação, o prazo de fabricação foi reduzido para até 48 horas, pronto e disponível para retirada ou despacho, um período bem mais curto que o adotado anteriormente, de 7 a 10 dias.

O IMPER é uma fita de polipropileno com adesivo a base de acrílico. A Promaflex fornece o produto para os fabricantes dos rótulos e etiquetas e é uma das empresas líderes deste mercado.

“Os fabricantes rótulos e das etiquetas trabalham com estoque zero, já que cada produto é customizado e tem uma medida específica. Por isso, quando mais ágil formos na entrega do insumo, mais rápido as etiquetas, impressas e laminadas, chegarão aos clientes finais”, destaca o presidente, sócio e fundador da Promaflex, Márcio Velletri.

Killing celebra 60 anos

“A pandemia gerou dificuldades adicionais para os fabricantes de rótulos e etiquetas. As empresas que resistiram à crise precisam reforçar o caixa rapidamente. Por isso, é tão importante esta mudança que adotamos”, complementa Cristiano Martins, gerente da planta industrial da Promaflex que produz o IMPER.

“Houve uma diminuição da casa de 30% dos clientes em carteira, empresas que deixaram de existir por conta da crise”, ressalta o gerente comercial da Promaflex, Douglas Barbosa.

Promaflex

Promaflex

Imper

Para ganhar mais agilidade na fabricação, a Promaflex adquiriu um novo equipamento no final do ano passado, uma rebobinadeira automática, que é destinada prioritariamente para a fabricação do insumo. Com isso, foi possível ampliar em 50% a produção do IMPER, que até então era de 220 mil metros quadrados por mês.

A empresa também investiu na melhoria da logística de entrega do produto. “Com uma produção em crescimento e mais agilidade na entrega, devemos ganhar uma fatia ainda maior deste mercado no Brasil, consolidando a nossa posição de liderança”, afirma Márcio Velletri.
A linha IMPER possui três itens: R03, material com acabamento brilhante; R04, com acabamento fosco; e o R06, um grande diferencial da Promaflex que, através de um tratamento especial na camada externa, possibilidade que os clientes gravem, após a etiqueta pronta, uma data de validade, por exemplo.

Promaflex

Fundada em 1988, a partir de joint venture entre uma companhia multinacional do setor e um grupo brasileiro, a Promaflex é líder na área de filmes para proteção em toda a América Latina. Sua sede localiza-se em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, onde funciona o parque industrial.

A empresa atua em diversos segmentos da indústria, além da construção civil. Na área produtos especiais, desenvolve inovações tecnológicas para produtos diferenciados. Filmes de proteção, mantas de proteção e termoacústicas, rótulos, embalagens e filme óptico são alguns dos seus principais produtos. Em seu laboratório, onde atuam engenheiros de produção, físicos e químicos, são realizados testes e pesquisas para o lançamento de produtos que atendam às expectativas do mercado.

A Promaflex é responsável por produtos inovadores, seguros e tecnológicos, que caminham lado a lado com o crescimento e necessidades do País, criando soluções para setores diversos da economia no Brasil e no exterior. Desde 1988, possui a certificação ISO 9001 e mantém parceria com organizações nacionais e internacionais, visando garantir acesso ao que há de mais avançado em tecnologia em sua área de atuação.

Orchestra Brasil leva fornecedoras à Interzum, na Colômbia

Projeto promovido pelo Sindmóveis com apoio da Apex-Brasil fomenta exportações para indústrias fornecedoras da cadeia moveleira

Publicado em 13 de maio de 2022 | 16:55 |Por: Thiago Rodrigo

Em 2021, a indústria brasileira de componentes para móveis, máquinas e ferramentas exportou 3 bilhões de dólares para o mundo. Somente a Colômbia adquiriu 150 milhões de dólares, posicionando-se entre os 15 mercados mais representativos. Com o objetivo de estimular as relações comerciais entre os dois países, o Orchestra Brasil levou 17 corporações à Interzum, principal feira do segmento na América, que ocorreu desde o dia 10 até hoje, 13 de maio em Bogotá.

O Orchestra Brasil é um projeto de exportação para empresas brasileiras fornecedoras do setor, mantido pelo Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e atração de investimentos (Apex-Brasil).

Artecola comemora 74 anos

De acordo com a consultora do Orchestra Brasil, Ana Cristina Sant’anna Schneider, estima-se que os componentes respondem por 46,7% do valor de produção dos móveis brasileiros. “Os fornecedores da indústria moveleira são os grandes promotores de inovação no setor, desde fabricantes de tecnologias, insumos e acessórios até estúdios de design e prestadores serviços. Portanto, esse elo é fundamental para aumentar a competitividade do setor como um todo”, comenta.

Orchestra Brasil

Akeo, Allparts, Brasmacol, CPI Tegus, Crippa, Joelini, Lidear, LRB Química, Lufati, Projepack, Promob, Sayerlack, Rometal, Tecbril, Tramontina, Wirutex e Zen são as empresas brasileiras que se preparam para apresentar suas inovações e lançamentos em Bogotá.

“A participação na Interzum é estratégica para gerar vínculos mais fortes entre os mercados brasileiro e colombiano, bem como colocar essas indústrias numa grande vitrine mundial”, ressalta Ana Cristina.

Comportamento e mercado

Antes o consumo era predominantemente sobre elementos amadeirados, cores escuras e desenhos básicos. Nos últimos anos, porém, o consumo em termos de componentes e elementos decorativos mudou. Percebe-se que o consumidor colombiano se voltou para o uso e preferência por elementos mais modernos, com cor, design e inovação mais semelhantes à oferta do mercado brasileiro.

Desde que a pandemia intensificou o trabalho remoto, os consumidores começaram a criar espaços que oferecem conforto e segurança. Esse foi um trunfo para muitos fornecedores brasileiros que já apostam em quesitos como tecnologia, qualidade, conforto, elementos sustentáveis e design.

Futuro, crescimento, história e celebração nos 74 anos da Artecola

Com incremento de 38% na receita em 2021, empresa recebeu convidados para celebrar seu aniversário. Obra da artista plástica Ariadne Decker foi apresentada, além de homenagem à segunda geração da família Kunst

Publicado em 11 de maio de 2022 | 08:17 |Por: Thiago Rodrigo

A Artecola completou 74 anos nesta quinta-feira, 5 de maio, com uma celebração vibrante. Clientes, fornecedores, líderes empresariais e políticos, imprensa e acionistas comemoraram em um evento com a energia do reencontro. Na ocasião, o presidente executivo, Eduardo Kunst, apresentou um breve panorama sobre a empresa hoje – que registrou crescimento de 38% em 2021 – e as projeções a longo prazo, para os 100 anos da companhia. A segunda geração da família Kunst, acionista da Artecola, também foi homenageada no evento.

O prefeito de Campo Bom, Luciano Orsi, deu as boas-vindas a todos e enalteceu a trajetória da Artecola. Na sequência, Eduardo Kunst fez sua explanação. Ele destacou que a pandemia provocou distanciamento, mas na empresa, houve a compreensão de que o distanciamento físico não deveria significar distanciamento social.

Leia edição 316 da Móbile Fornecedores

“E assim nos reorganizamos”, ressaltou, citando alguns dos efeitos do coronavírus para a economia mundial, como o colapso na logística internacional e a inflação global acelerada. “Mesmo com reflexos negativos no cenário internacional, crescemos 10% em 2020 e 38% em 2021, e ficamos na segunda colocação como empresa mais internacionalizada do Brasil.”

O executivo também abordou algumas das tendências identificadas no WAC 2022, a conferência mundial de adesivos e selantes de 2022, realizada de 25 a 27 de abril, em Chicago (EUA). “O três temas mais falados, nesta ordem, foram sustentabilidade, sustentabilidade e sustentabilidade”, brincou Eduardo, destacando que a Artecola já está bem alinhada a esse foco e seguirá evoluindo.

“Por isso, estamos lançando hoje o nosso Relatório de Sustentabilidade 2021, divulgando de forma transparente o nosso desempenho ESG alinhado com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e com os 10 princípios do Pacto Global.” O relatório pode ser acessado no site www.artecolaquimica.com.br, na aba sustentabilidade.

Joel Reichert

Artecola

74 anos brinde acionistas

Transformação Artecola

O momento de grande transformação da Artecola também foi ressaltado por Eduardo, que abordou a criação da nova identidade visual, lançada em outubro de 2021.

“Resgatamos a nossa essência, que está vinculada aos conceitos de Artista e de Catalisador. E nesse processo, as Pessoas se mantiveram no primeira ordem de importância. Elas são o centro de tudo, pois somos uma empresa que prioriza as relações humanas”, reforça o Presidente.

Leia Móbile Lojista 387

O arquétipo de Artista foi valorizado com a criação de uma obra pela artista plástica Ariadne Decker. “Reuni oito mãos, que representam as pessoas e, em numerologia, é um número muito especial”, explicou Ariadne. Essas mãos conduzem, na obra, o desenvolvimento de produtos e a energia criativa da empresa, nesse novo momento.

“Fizemos questão de trazer a arte para essa data de celebração, porque o Artista é uma de nossas identidades. Já temos outras obras de grandes nomes da região representando períodos da Artecola. Agora queríamos demarcar esse novo momento também através da criação artística”, diz Eduardo.

Joel Reichert

Empresa recebe homenagem com obra de Ariadne Decker

Homenagem

A noite teve ainda uma homenagem à segunda geração da Família Kunst, acionista da Artecola. Três dos cinco filhos do fundador Francisco Xavier Kunst estavam presentes: Renato, Livino e Marlene, que receberam lembranças de integrantes da terceira geração da família.

Renato Kunst, que foi o presidente da empresa por várias décadas, foi homenageado também com uma placa junto ao “Espaço Fora da Caixa”, área no jardim da empresa usada para reuniões da equipe ao ar livre. Uma reprodução da obra de Ariadne Decker também foi instalada no local.

Joel Reichert

Artecola

Placa em homenagem a Renato Kunst

Artecola Química

Com 74 anos, a Artecola se insere no grupo de menos de 0,5% das empresas brasileiras (dados do IBGE) que alcançam essa maturidade. Na atual estrutura, conta com três áreas de negócios – Indústria, Consumo e Extrusão – com um total de nove plantas produtivas, no Brasil, Argentina, Colômbia, Chile, México e Peru.

A empresa produz adesivos, selantes e laminados termoplásticos para uso industrial, profissional ou doméstico em diferentes setores: calçadista, moveleiro, automotivo, embalagem, gráfico, construção civil e agrobusiness. Mais informações sobre a Artecola e suas linhas de produtos Afix podem ser obtidas em www.artecolaquimica.com.br.

Killing celebra 60 anos de conquistas

Indústria química gaúcha completa seis décadas simplificando a vida de quem usa seus produtos e comemora a data com uma série de ações, com festa e atração especial

Publicado em 9 de maio de 2022 | 14:14 |Por: Thiago Rodrigo

A Killing S.A. Tintas e Adesivos completa seis décadas de conquistas em 25 de maio de 2022, com as marcas Kisafix e Tintas Killing. Começou sua história com uma singela produção de tintas, em 1962, em Novo Hamburgo (RS), e hoje é uma multilatina consagrada, líder em adesivos para calçados na América Latina, uma das dez maiores fabricantes de tintas do Brasil e uma das maiores exportadoras de adesivos do País.

Com matriz em Novo Hamburgo (RS); filiais em Simões Filho (BA), Buenos Aires (Argentina) e Querétaro (México), e escritório em León (México), a empresa contabiliza um portfólio de aproximadamente 2,5 mil itens, uma produção mensal de 3 milhões de litros e uma equipe de quase 500 colaboradores.

Para celebrar seus 60 anos de conquistas, uma série de ações foi programada até o dia do aniversário, que culminará com uma festa para clientes e fornecedores, em dez dias, no dia 19 de maio, em Novo Hamburgo (RS). A festa de aniversário da Killing fechará com chave de ouro as comemorações dos 60 anos, com atração especial e momento para relacionamento dos convidados com a marca.

Ibá reforça protagonismo do setor brasileiro de árvores

De acordo com o gerente de Marketing da Killing, Guilherme Medaglia, a empresa é motivo de orgulho para todos e a proposta do evento é agradecer por acreditarem na marca e fazerem parte da sua história. “São 60 anos de conquistas e de muita superação diante dos desafios que surgiram ao longo desses anos. Passamos por pandemia, mudanças de planos econômicos e de moedas brasileiras, crises econômicas e hídricas, inflação e desvalorização cambial, e, mesmo assim, conseguimos, com muito profissionalismo e qualidade, nos consolidar no mercado e mostrar que temos habilidade e capacidade de seguir crescendo com sustentabilidade e gerando emprego e renda para diversas famílias”, frisa o gerente.

Conforme Medaglia, a possibilidade de abertura para novos mercados nacionais e internacionais é uma consequência da gestão atual, embasada no conceito organizacional ESG, que consolida a empresa a um novo patamar de produção, com produtos certificados como ecologicamente corretos, aliados à inovação e à tecnologia da Informação. “Além disso, um planejamento estratégico até 2025 está sendo concluído e inclui a criação de novos produtos, com valor agregado, e ampliação e qualificação de suas unidades fabris”, conclui o gestor.

Killing

Killing

Guilherme Medaglia, gerente de Marketing da Killing_2 – Copia

Revitalizações integram a comemoração

As ações para o aniversário foram montadas a partir da adoção da proposta pioneira de revitalização do Muro da Mauá, em Porto Alegre (RS), em outubro de 2021. Na ocasião, a Tintas Killing doou 432 litros de tinta e assumiu 24 espaços verdes, revestidos com plantas ao lado do muro, até 2023. A entrega oficial do Muro da Mauá ocorreu em 26 de março desse ano, data de aniversário dos 250 anos da Capital dos Gaúchos.

Em Novo Hamburgo (RS), sua cidade natal, a Killing também assumiu projetos de revitalização e adoção de espaços públicos, como é caso da Estação das Cores. Desde 2019, a empresa colore a cidade, com a ajuda de um artista local, além de manter o paisagismo ao longo de 23 pilares do trem. Esse projeto é pioneiro no município e, neste ano, integra as comemorações de aniversário, adotando mais sete pilares, que começam a ganhar novas cores entre a Avenida 7 de Setembro e Rua do Cedro, a partir de abril de 2022.

Selo, campanha e festa

No início do ano, a empresa começou a divulgar, em seus materiais internos e externos, o selo institucional criado para a passagem da data – Killing 60 anos. E uma campanha institucional para rádios e plataformas digitais da empresa, baseada em cinco pilares – confiabilidade, qualidade, cuidado, cooperação e sustentabilidade.

Igualmente no conceito “Nosso jeito está em tudo que a gente faz”, começou a rodar, semanalmente, a partir de 18 de abril. Serão ao todo seis produções audiovisuais e cinco delas abordará cada um dos pilares definidos, com relatos de famílias, clientes, fornecedores e colaboradores.

Killing

Killing

Diretor-presidente da Killing, Milton Killing – Copia

Gestão de sucesso

Desde sua fundação, a visão empreendedora de seu fundador, Leopoldo Celestino Killing, foi vanguardista e primordial para nortear as diretrizes da gestão até os dias atuais. A conquista do Selo Origem Sustentável, na certificação Ouro, em março de 2022, é fruto dessa visão, que já tinha uma consciência ambiental como premissa em seu negócio.

Milton Killing, filho do fundador e atual diretor-presidente da Killing, foi o responsável, a partir de 2002, por continuar a evolução e a essência dessa história, construída nos pilares da ética, confiança, cooperação, cuidado, qualidade, inovação, tecnologia e sustentabilidade para seus clientes, fornecedores, parceiros e sociedade. Devido à sua gestão, com a participação de diversos colaboradores, a Killing recebeu vários outros prêmios ao longo de sua trajetória.

Leo abre curso de montagem de móveis

O sucesso da Killing está no fazer bem-feito e com alta qualidade, não apenas suas tintas, vernizes, massas, texturas, adesivos, solventes, aditivos e produtos complementares, mas no atendimento aos seus clientes. O cuidado em criar produtos, que facilitem a vida de seus consumidores, começou com Celestino ouvindo-os sobre suas necessidades e buscando as melhores soluções para essas demandas. Por isso, hoje, a empresa conta com um dos laboratórios mais modernos da América Latina e com uma equipe de profissionais altamente qualificados e focados no desenvolvimento de soluções inovadoras para todos os mercados em que atua.Killing

Trajetória da Killing 60 anos

1962
Em 25 de maio de 1962, nasce a empresa de tintas para calçados e couros Tintas Killing, com o foco sempre na melhor qualidade e no melhor atendimento das necessidades dos seus clientes.

1969
Tintas Killing transforma-se em S.A. (Capital Fechado) e passa a ser chamada de Killing S.A. Tintas e Adesivos.

1970
Amplia a sua linha de atuação e produção e passa também a produzir adesivos para calçados.

1972
Killing dá um importante passo na sua história e adquire a empresa Tintas Tucano (tintas imobiliárias, metal-mecânica e moveleira), expandindo seus negócios para o mercado nacional.

1997
Killing inaugura fábrica de adesivos em Pacatuba, no Ceará.

2000
Killing recebe a certificação ISO 9001, que confirma e reafirma a estrutura de qualidade da empresa.

2001
Otimizando seus serviços e administração, a Tintas Killing dá início ao processo de Governança Corporativa.

2002
Após 40 anos à frente da empresa e principal responsável pelo seu sucesso, o fundador Leopoldo Celestino Killing passa o comando da empresa (Holding Kielos) para seus sucessores da segunda geração.

2006
Para otimizar recursos e melhorar a logística no polo calçadista do nordeste, a unidade produtiva do Ceará foi transferida para a unidade da Bahia.

2012
Amplia sua produção com a abertura da fábrica de adesivos na Argentina.

2015
Começa a operação da Unidade de Negócio no México – Kisafix México/Distribuição.

2018
Inicia-se a operação da Kisafix na unidade de Querétaro, no México/Fabricação.

2019
Promove projeto pioneiro em Novo Hamburgo, intitulado Estação das Cores.

2022
Ano em que completa 60 anos de inovação e tecnologia e é a primeira empresa de tintas e adesivos no Brasil a conquistar o Selo Origem Sustentável.

Distinções da Killing 60 anos

– Marcas De Quem Decide (2018, 2019, 2020, 2021 e 2022)
– Prêmio Campeãs de Inovação (2019, 2020, 2021 e 2022)
– Prêmio Exportação (2020 e 2021)
– Prêmio Melhor Produto do Ano (2021)
– Reconhecimento Bibi (duas categorias em 2019, 2020 e 2021)
– Prêmio Primus Inter Pares (2021 e 2022)
– Selo Origem Sustentável 2022

Ibá reforça protagonismo mundial do setor brasileiro de árvores

Entidade esteve presente no XV Congresso Florestal Mundial, da FAO, na Coreia do Sul, realizado esta semana, apresentando biodiversidade do setor

Publicado em 6 de maio de 2022 | 08:00 |Por: Thiago Rodrigo

Representantes da entidade terão protagonismo em painéis de discussões e irão apresentar, pela primeira vez no exterior, o Caderno de Biodiversidade e o Relatório sobre Recursos Hídricos, além de boas práticas do setor, como na capacitação em diversidade e inclusão

Entre os dias 02 e 06 de maio, a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) reforçou o protagonismo do setor brasileiro de árvores cultivadas no mundo, ao ter participação de destaque no XV Congresso Florestal Mundial, organizado pela FAO (Organização para Alimentação e Agricultura), órgão da ONU, a realizar-se em Seul, na Coreia do Sul.

Produção de móveis tem queda em março

Nas apresentações da Ibá, destaque para temas como mudanças climáticas, recursos hídricos, biodiversidade, ESG, inclusão e diversidade, dentre outros assuntos muito trabalhados pelo setor de árvores cultivadas.

Em eventos oficiais organizados pela Ibá com seus parceiros, houve o lançamento mundial do Caderno de Biodiversidade do Setor de Árvores Cultivadas 2022 e a apresentação, para o público internacional, do Relatório sobre Desempenho na Gestão de Recursos Hídricos.

Além disso, a entidade compartilhou sua experiência na agenda da capacitação em diversidade e inclusão, tal como vem realizando com as empresas associadas e entidades parceiras no Brasil, em prol da criação de um ambiente no setor com mais equidade e oportunidades.

Caderno de biodiversidade

Inédito, o levantamento do Caderno de Biodiversidade apresenta o registro de 8.310 espécies, entre fauna e flora, dentro do monitoramento de 23 empresas associadas, distribuídas em cinco biomas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e Pampa. Os principais grupos monitorados incluem aves, mamíferos, anfíbios e répteis. Considerando a flora, foram 5.450 espécies reportadas.

Além disso, o setor de árvores cultivadas identificou mais de 335 espécies que são classificadas como ameaçadas de extinção pelo ICMBio. O relatório também traz informações sobre monitoramento da biodiversidade, restauração, serviços ecossistêmicos, parcerias com apicultores e cases de sucesso das empresas de base florestal.

Os índices evidenciam o êxito das estratégias de corredores ecológicos, assim como outras práticas sustentáveis de manejo, que contribuem para uma agenda positiva pela conservação da biodiversidade.

Relatório sobre a água

O relatório “Cuidar da água é cuidar do futuro de todos” conta com mais de 10 indicadores de desempenho que demonstram como o setor cuida desse recurso natural essencial para o planeta. Dividido em três categorias, os indicadores florestais buscam identificar as práticas de manejo mais adotadas pelas empresas no campo, como o monitoramento da qualidade e quantidade de água.

Já os indicadores industriais apresentam os números de reuso do setor, bem como mostram que a maior parte da água captada retorna para os rios. Os dados corporativos, por sua vez, refletem o constante diálogo com vizinhos e comunidades, tendo em vista a sustentabilidade efetiva das atividades, com o indispensável compartilhamento de valor.

Além disso, os representantes da Ibá foram convidados para representar o setor em eventos paralelos, mesas redondas, moderar debates, apoiar na organização de diversas discussões e outras atividades do Congresso. Serão ao todo oito eventos, entre plenárias principais, side events e reuniões de alto nível.

Setor brasileiro de árvores cultivadas

O Embaixador José Carlos da Fonseca Jr., diretor executivo da Ibá e cofacilitador da Coalizão Brasil, Clima, Florestas e Agricultura, participou também de importante evento organizado pela UNFF (Fórum de Florestas da ONU): “Em Seul teremos oportunidade valiosa para discutir o papel das florestas em geral, inclusive as cultivadas, assim como as questões socioambientais e econômicas que interessam ao setor e ao Brasil. Merece registro, igualmente, a importância de que se reveste o convite à equipe da Ibá para participar de tantos eventos e debates relevantes, sobretudo no atual contexto de inegável desgaste da imagem internacional do Brasil, na área da sustentabilidade”, explica o executivo.

O evento, que ocorre a cada seis anos, é um fórum para a troca de experiências sobre todos os aspectos das florestas e silvicultura, em nível global. Estiveram presentes stakeholders de todo o mundo, para analisar os principais desafios, a fim de produzir posicionamentos que poderão nortear o desenvolvimento de políticas florestais e boas práticas corporativas em todo o setor florestal mundial.

Top Móbile tem data marcada

Foi uma oportunidade para a comunidade florestal global considerar o estado presente e também o futuro das florestas, particularmente no contexto da recuperação pós-pandemia da Covid-19, na medida em que se prepara para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030) e outros acordos importantes (Objetivos Florestais Globais, Acordo de Paris, Metas de Biodiversidade no âmbito da Convenção da Diversidade Biológica).

Aproveitando o encontro global, o ICFPA (International Council of Forest and Paper Associations) realizou, no dia 30 de abril, a sua reunião anual da diretoria. Na mesma data, o ACSFI (Advisory Committee on Sustainable Forest-based Industries), órgão estatutário da FAO composto por executivos internacionais do segmento privado do setor de florestas, igualmente reunirá seu Conselho Deliberativo, em agenda a ser presidida pelo Embaixador José Carlos da Fonseca Jr.

Além dessas atividades paralelas ao WFC, a equipe da Ibá cumpriu densa agenda de reuniões e contatos com várias lideranças do setor, inclusive membros do TFD (The Forests Dialogue), com dirigentes de sistemas internacionais de certificação florestal, como FSC e PEFC, além de representantes de ONGs e do meio acadêmico.

Debates destacados

– 30/04, das 9h às 12h30 (KST) / 29/04, das 21h às 00h30 (BRT) – Reunião Anual do ICFPA

– 30/04, das 14h às 17h (KST) / 30/04, das 02h às 05h (BRT) – Reunião Anual do ACSFI

– 02/05, das 12h30 às 14h (KST) / 02/05, das 00h às 02h (BRT) – Plantações florestais e água: compartilhando experiências de responsabilidade na escala da paisagem (evento organizado em parceria da Ibá com o IPEF e o Diálogo Florestal. Ibá fará apresentação do relatório de desempenho de Água). Ponto focal Camilla Marangon.

– 03/05, das 11h às 19h (KST) / 03/05, das 23h às 07h (BRT) – Private Sector Investment Forum Investimentos sustentáveis em florestas: pessoas, lucro e natureza (Nathalia Granato foi a Mestre de Cerimônias e José Carlos Fonseca foi a moderação do painel “Compromissos do setor florestal com a restauração do ecossistema”). Ponto focal Nathalia Granato.

– 03/05, das 17h30 às 19h (KST) / 03/05, das 05h30 às 07h (BRT) – Dados desagregados por gênero no setor florestal (Ibá apresentou das iniciativas da associação). Ponto focal Nathalia Granato.

– 03/05, das 18h30 às 20h (KST) / 6h30 às 08h (BRT) – Programas de monitoramento realizados por empresas do setor de florestas plantadas e seu papel na conservação da biodiversidade (evento organizado pela Ibá para lançamento do caderno de biodiversidade) Ponto focal foi Patricia Machado.

– 04/05, das 09h às 11h (KST) / 03/05, das 21h às 23h (BRT) – Madeira – a matéria-prima mais antiga que nos leva ao futuro (Ibá apoiou a organização do evento, pela FAO). Ponto focal foi Nathalia Granato.

– 04/05 – das 11h às 12h30 (KST) / 03/05, das 23h às 00h30 – Parcerias e colaboração para o manejo florestal sustentável (Ibá apoiou na organização e representante da Ibá falou em painel)

– 04/05, das 14h às 15h30 (KST) / 04/05, das 02h às 3h30 (BRT) – O papel das Florestas na recuperação pós-covid-19: reimaginando o futuro das florestas (Ibá teve fala em painel). Ponto focal Camilla Marangon.

– 06/05, das 10h às 11h30 (KST) / 05/05, das 22h às 23h30 (BRT) – Biossegurança florestal como responsabilidade compartilhada (Ibá teve apresentação). Ponto focal Patricia Machado.

Pôsteres apresentados

– Sectoral performance of water management in plantations-based industry (Camilla Marangon)

– How Brazilian Tree Industry can help compling with climate change agenda linked to Sustainable Development Goals, Global Forest Goals and Brazilian NDC under Paris Agreement (Nathalia Granato)

– Circular (bio) economy of Brazilian planted-forest based industry: a successful case towards a sustainable, inclusive and innovative green path (Patricia Machado)

– Multiple uses of forest biomass as nature-based solution in order to increase the share of green and renewable energy at the energy matrix of several industries (Nathalia Granato)

– Brazilian planted trees industry and biodiversity: a case of success (Patricia Machado)

Robôs são atrações na Feimec 2022

Feira de máquinas que ocorre esta semana em São Paulo (SP), tem novidades da Indústria 4.0 com robótica e automação para melhorias de processos

Publicado em 5 de maio de 2022 | 10:00 |Por: Thiago Rodrigo

Há inúmeras funções que os protótipos de robôs estão mostrando em exposição na Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos (Feimec) durante esta semana, entre os dias 3 e 7 de maio. A robótica está com força total nesta edição do evento, que conta com mais de 900 marcas expositoras em mais de 60 mil metros quadrados da exposição.

Na feira é possível ter contato com o que há de mais novo em automação para a indústria. A Yaskawa, por exemplo, é a criadora do robô bartender, como ficou conhecida a máquina que serve bebidas. Mas a empresa tem em exposição também outros modelos, como o robô colaborativo HC20 que pode trabalhar com paletização de até 20 quilos, em parceria com mão de obra humana.

Já a Sew Eurodrive Brasil exibe um modelo promissor para a Indústria 4.0, o AGV – Automated Guided Vehicle. O equipamento facilita o transporte de materiais dentro das indústrias, uma vez que a sua rota pode ser traçada e controlada por wi-fi. Os minicarros podem ser alimentados por energia, bateria ou indução e a principal vantagem é a flexibilização no espaço interno da empresa, visto que com o uso dessas máquinas não há necessidade de instalações fixas.Feimec

A Scara, máquina de alta precisão da Kuka Roboter, é muito utilizada na indústria alimentícia. O robô, de formato horizontal, é conhecido pela sua rapidez em processos repetitivos, como manuseio de cápsulas de café, por exemplo.

Leia edição 387 da Móbile Lojista

A impressão 3D é outro tema em alta da Feimec 2022. Diversas empresas levaram ao pavilhão as últimas novidades em maquinários e automação para impressões. A DDDrop está imprimiu, em tempo real, uma pirâmide de 30 centímetros de altura em PLA.Feimec

Outros modelos de robôs estão sendo cada vez mais procurados pela indústria de alimentos. É o caso do modelo em exposição no estande da Fanuc. A empresa vendeu recentemente um jogo de robôs para uma empresa de lanches congelados. Toda a montagem do hambúrguer é feita por automação.

A Comau, por sua vez, trouxe para a feira soluções de robótica para a indústria automotiva, que estão em uso nas fábricas de marcas como Jeep e da Fiat. As máquinas são responsáveis pela inspeção de pintura e qualidade, além da automação dos processos de soldas. O equipamento pode ser visto em funcionamento em um carro da Jeep no estande da empresa.

Quem visita o pavilhão pode ver ainda outras máquinas em ação, como a demonstração de soldas, gravação em metais, cortes para peças de cerâmica e aço, entre muitas outras novidades. A Feimec vai até sábado (07/05) no São Paulo Expo.

3ª Feimec

Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos
Data: De 3 a 7 de Maio de 2022.
Horários: De 3ª e 6ª (das 10 às 19h) e Sábado (das 9h às 17h).
Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center.
Iniciativa: Abimaq – Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos.
Promoção e Organização: Informa Markets Brasil